‘Tio Paulo’: Mulher que levou idoso morto a banco deverá ser solta, determina Justiça

Caso aconteceu em uma agência de Bangu, na Zona Oeste do Rio.

Compartilhe:

A Justiça do Rio determinou a libertação de Érika Souza Vieira Nunes, de 42 anos, que foi presa em flagrante após levar o tio, já falecido, a uma agência bancária em Bangu, Zona Oeste do Rio de Janeiro, na tentativa de obter um empréstimo.

>> Siga o canal do "Sou Mais Notícias" no WhatsApp e receba as notícias no celular.

No último dia 16, Érika foi detida e posteriormente denunciada pelo Ministério Público pelos crimes de tentativa de estelionato e vilipêndio de cadáver. Atualmente, ela está detida no presídio Djanira Dolores, também em Bangu.

A decisão foi proferida pela juíza Luciana Mocco, titular da 2ª Vara Criminal de Bangu, após um pedido da defesa de Érika. Os advogados argumentaram que ela é ré primária, possui endereço fixo e enfrenta problemas de saúde mental. Além disso, salientaram que Érika é mãe de uma filha menor de idade com deficiência, que requer seus cuidados em casa.

Embora a prisão preventiva tenha sido revogada, a juíza estabeleceu algumas medidas cautelares para Érika, como comparecimento mensal ao cartório do juízo para informar suas atividades ou eventual mudança de endereço. Além disso, em caso de internação devido a tratamento de saúde mental, a Justiça deverá ser comunicada. Érika também está proibida de se ausentar da comarca por mais de sete dias.

O caso teve início quando a Polícia Civil do Rio finalizou a primeira etapa da investigação, que apurava a prisão em flagrante de Érika. Agora, ela também está sendo investigada por homicídio culposo, já que teria ocorrido uma “gritante omissão de socorro”.

Mulher leva morto em cadeira de rodas para sacar empréstimo de R$ 17 mil e pede pra ele assinar
Foto: Reprodução

Segundo o delegado Fabio Luiz Souza, titular da 34ª DP (Bangu), Paulo Roberto Braga estava em situação grave de perigo de vida, e Érika, ao invés de levá-lo ao hospital, dirigiu-se a um shopping. A polícia desmembrou a investigação do caso e a segunda fase será focada no homicídio culposo, o que determinará se Érika será indiciada.

O Ministério Público do Rio denunciou Érika pelos crimes de tentativa de estelionato e vilipêndio de cadáver. A denúncia destaca que, embora o empréstimo tenha sido contratado pelo idoso Paulo Roberto Braga enquanto ele estava vivo, o saque de R$ 17.975,38 não pôde ser efetuado porque ele já havia falecido.

O MP ainda ressaltou o desprezo e desrespeito demonstrado por Érika ao levar o tio morto ao banco para realizar o saque. O promotor de Justiça mencionou a debilitação de Paulo, que havia recebido alta da internação por pneumonia um dia antes dos fatos, além do laudo de necrópsia que constatou seu estado de saúde fragilizado.

O MP também informou que a polícia instaurou um procedimento para investigar um eventual crime de homicídio relacionado a Érika.