Justiça deve ouvir Danilo Cavalcante por videoconferência em julgamento de assassinato cometido no TO

Danilo foi capturado após ficar 14 dias foragido nos Estados Unidos. A primeira audiência sobre o crime em Figueirópolis está marcada para outubro.

Compartilhe:

Danilo Cavalcante, o brasileiro que permaneceu foragido nos EUA por 14 dias após fugir da prisão, será julgado pelo assassinato de Valter Júnior Moreira dos Reis, ocorrido em 2017, no Tocantins. A primeira audiência do caso está programada para 11 de outubro, e ele poderá ser ouvido por videoconferência.

>> Siga o canal do "Sou Mais Notícias" no WhatsApp e receba as notícias no celular.

Danilo havia sido condenado à prisão perpétua nos EUA pelo homicídio de sua ex-namorada, Débora Evangelista Brandão, na frente dos filhos dela em abril de 2021.

Antes de sua detenção nos Estados Unidos, Danilo estava sendo investigado pela morte de Valter Júnior Moreira dos Reis, seu amigo de 20 anos. Esse crime ocorreu em novembro de 2017, em Figueirópolis, cno sul do estado, devido a uma dívida relacionada ao conserto de um carro.

Foto: Divulgação

A audiência no Tocantins planeja ouvir sete testemunhas de acusação, enquanto aguarda que a Defensoria Pública, responsável pela defesa de Danilo, apresente outras testemunhas e o depoimento do réu. A participação virtual de Danilo na audiência será solicitada, mas a Defensoria Pública do Tocantins ainda não especificou a data.

A captura de Danilo Cavalcante após sua fuga da prisão envolveu uma megaoperação policial nos Estados Unidos. Sua fuga ocorreu em 31 de agosto, quando ele escalou as paredes da prisão.

A família de Valter comemorou a prisão de Danilo, expressando alívio e esperança de que ele cumpra sua pena. O assassinato de Valter abalou profundamente a família, e a ausência dele é profundamente sentida. Seus entes queridos descrevem a noite do crime como assustadora e dolorosa, recordando os momentos felizes que compartilharam com Valter antes da tragédia.

>> Participe da comunidade do #SouMaisNoticias no WhatsApp.

*Com informações no G1