Homem sai dirigindo após ser baleado, agredido com socos e ainda levar um ‘mata-leão’

Caso aconteceu em Trindade (GO). Homem tentou tirar a arma do atirador, derruba ele no chão e trocam de socos. Após briga, vítima vai mancando até o carro e sai dirigindo.

Compartilhe:

Um homem deixou uma distribuidora de bebidas dirigindo seu carro depois de ser baleado e agredido fisicamente em Trindade, Região Metropolitana de Goiânia. Segundo informações da Polícia Militar, Francisco Lopes, de 39 anos, estava na entrada da distribuidora quando um suspeito se aproximou e disparou várias vezes contra ele.

>> Siga o canal do "Sou Mais Notícias" no WhatsApp e receba as notícias no celular.

Imagens das câmeras de segurança mostram o momento em que o suspeito se aproxima de Francisco e começa abrir fogo. Francisco tenta desarmar o agressor com uma camiseta e, em seguida, se joga no chão para tentar detê-lo.

Assista o vídeo:

No vídeo, é possível ver os dois se envolvendo em uma briga física, trocando socos enquanto estão no chão. Em certo momento, o agressor desfere vários golpes na cabeça de Francisco e aplica um mata-leão.

A briga cessa por um momento enquanto Francisco se levanta e ambos recolhem seus pertences do chão. O vídeo mostra Francisco mancando enquanto se dirige ao carro e, em seguida, ele entra no veículo e parte.

Segundo a PM, Francisco recebeu atendimento inicial na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) e foi posteriormente encaminhado ao Hospital Estadual de Trindade. No entanto, na segunda-feira (6), ele foi transferido para o Hospital Estadual de Urgências Governador Otávio Lage de Siqueira (Hugol) após avaliação da cirurgia geral.

O Hugol relatou que o paciente está na unidade de pronto-socorro, com um quadro de saúde estável, consciente e respirando espontaneamente.

O homem suspeito dos disparos se entregou à polícia em Guapó, também na Região Metropolitana de Goiânia. A Polícia Civil informou que a arma de fogo utilizada no crime foi apreendida e um inquérito policial foi aberto para investigar o incidente.

Como não houve prisão em flagrante, o suspeito vai responder ao inquérito em liberdade, e o caso está sob sigilo.