Filho é suspeito de espancar advogada de 71 anos que morreu após quase 40 dias na UTI

A prisão dele chegou ser pedida pela polícia, após a mãe ser internada em estado grave, mas Justiça negou. Suspeito também responde a processo por espancar a avó, que também morreu.

Compartilhe:

A investigação da Polícia Civil aponta Guilherme Roberto Otaviani Grasse como o principal suspeito pela morte da mãe dele, a advogada Lourdes Otaviani, de 71 anos. Lourdes morreu nesta semana após permanecer internada por quase 40 dias devido a ferimentos graves que indicavam violência doméstica.

>> Siga o canal do "Sou Mais Notícias" no WhatsApp e receba as notícias no celular.

Antes de sua morte, a advogada já havia sido agredida em outras ocasiões e alegou que os ferimentos foram causados por ataques de cachorro. Após sua internação, a Polícia Civil de Paraíso do Tocantins abriu um inquérito e indiciou Guilherme por lesão corporal de natureza grave, perigo à integridade física de pessoa idosa e constrangimento ilegal. A investigação havia sido concluída antes do falecimento da vítima.

De acordo com o delegado regional de Paraíso, Bruno Monteiro Baeza, os indícios apontam que os ferimentos de Lourdes não eram compatíveis com um ataque de cão, mas sim com violência doméstica, e os elementos coletados sugerem que o próprio filho da vítima seria o agressor.

Guilherme também enfrentava uma ação penal por suspeita de crimes semelhantes contra sua avó, que veio a falecer. “Esse indivíduo responde a uma ação penal que ainda está em tramitação por um fato muito semelhante, naquela ocasião a vítima foi a sua avó. A gente apurou que a avó foi encaminhada para o hospital também, ficou internada e alguns dias depois veio a falecer”, explicou o delegado.

Filho é suspeito de espancar advogada de 71 anos que morreu após quase 40 dias na UTI
Guilherme Roberto Otaviani Grasse – Foto: Divulgação

Tanto a polícia quanto o Ministério Público solicitaram a prisão de Guilherme durante a investigação, porém o pedido foi negado pela juíza Renata do Nascimento, da vara criminal de Paraíso do Tocantins. Em sua decisão, a juíza citou a falta de fundamentos e optou por medidas cautelares, como a proibição de Guilherme se aproximar de sua mãe, que já estava internada no Hospital Geral de Palmas desde 12 de janeiro.

O caso, acompanhado pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), está sendo analisado pelo Ministério Público para oferecer denúncia após a conclusão do inquérito em fevereiro. O Tribunal de Justiça não se pronunciou sobre o assunto.

Entenda

A advogada Lourdes Otaviani morreu após quase 40 dias internada com lesões graves. A Polícia Militar foi acionada em 12 de janeiro para atender uma ocorrência de violência doméstica, encontrando Lourdes gravemente ferida no hospital.

A acompanhante de Lourdes relatou aos policiais que a idosa foi até sua casa naquele mesmo dia pela manhã com machucados pelo corpo e em seguida o filho da advogada veio atrás da mãe, bastante alterado.

Ela havia sido agredida em sua casa pelo filho. Por conta do estado emocional de Guilherme, a mulher que prestou auxílio a Lourdes, pediu ajuda ao Corpo de Bombeiros para levar a idosa para o hospital. Na época, a polícia orientou que fosse feito um boletim de ocorrência para apurar o caso.

>> Participe da comunidade do #SouMaisNoticias no WhatsApp