Anderson Leonardo, cantor do grupo Molejo, morre aos 51 anos

Pagodeiro se tratava contra um câncer na região inguinal desde 2022. Grupo foi ícone do pagode dos anos 1990.

Compartilhe:

Anderson Leonardo, membro do grupo Molejo ícone do pagode dos anos 1990, morreu nesta sexta-feira (26), aos 51 anos, após uma batalha contra o câncer diagnosticado na região inguinal um ano e meio atrás. A confirmação veio tanto da assessoria do cantor quanto do perfil oficial do grupo.

>> Siga o canal do "Sou Mais Notícias" no WhatsApp e receba as notícias no celular.

“A nossa luta de ANDERSON LEONARDO foi heroica, mas, infelizmente, o câncer levou a melhor. Ele sempre será lembrado por sua família, amigos e pela enorme base de fãs, não apenas por seu talento e vitalidade nos palcos, mas também pelo amor dedicado ao MOLEJO. Sua presença contagiante era uma luz que iluminava a todos, e sua ausência será profundamente sentida e jamais esquecida. Nós te amamos”, foi o comunicado publicado nas redes sociais.

Conhecido como Anderson Molejão, devido à sua associação com o grupo Molejo, o cantor deixou sua marca na história da música brasileira com seus sucessos animados e bem-humorados.

Nascido no Rio de Janeiro, Anderson foi um dos fundadores do grupo de pagode carioca, junto com Andrezinho, Claumirzinho, Lúcio Nascimento, Robson Calazans e Jimmy Batera.

Anderson estava internado no Hospital Unimed, na Barra da Tijuca, e seu estado de saúde vinha se deteriorando desde o domingo (21).

O velório do cantor será realizado no domingo (28), no Cemitério Jardim da Saudade, no Rio de Janeiro.

Comerciante mata a ex-namorada e dá tiro no próprio peito em Goiás

Trajetória do Molejo

O Molejo conquistou o Brasil com grandes sucessos como “Cilada”, “Caçamba”, “Brincadeira de Criança”, “Dança da Vassoura”, “Paparico” e “Clínica Geral”.

O grupo, formado no final dos anos 1980, também fez sucesso com várias músicas de samba-rock, incluindo o próprio “Samba Rock do Molejão”.

Anderson Leonardo, cantor do grupo Molejo, morre aos 51 anos
Foto: Divulgação

Além de liderar a banda vocalmente, Anderson era habilidoso no cavaquinho e também contribuía como compositor. Segundo registros do Ecadnet, ele tem 118 composições creditadas.

Anderson assina algumas das músicas mais populares do grupo, como “Dança da Vassoura” e “Garoto Zona Sul”, além de sucessos de outros artistas, como “Cohab City”, do Negritude Junior.

O primeiro álbum do Molejo foi lançado em 1993 e foi impulsionado pela música “Caçamba”. O último álbum do grupo, “Molejo Club”, lançado em 2016, apresentou novas faixas inéditas após seis anos.

Em 2016, o grupo ressurgiu no cenário musical, especialmente entre o público jovem e na internet, devido a memes e comparações irônicas com músicas de artistas contemporâneos.

Anderson continuou a se apresentar com o grupo, mesmo durante o tratamento contra o câncer.

Anderson deixa quatro filhos. Dois deles, Leozinho Bradock, de 29 anos, e Rafael ‘Molejinn’, de 28, seguiram os passos do pai na música. Ele também é pai de Alessa Cristyne, de 30 anos, e de Alice, de quatro anos, fruto de seu relacionamento com Paula Cardoso desde 2012.

Anderson Leonardo, cantor do grupo Molejo, morre aos 51 anos
Foto: Divulgação

Diagnóstico de câncer

Em outubro de 2022, Anderson revelou que havia sido diagnosticado com câncer. Embora não tenha especificado a região afetada, o cantor anunciou, dois meses depois, que estava curado, mas a doença retornou.

“Vou lutar até o fim”, afirmou na época, explicando que o câncer foi inicialmente diagnosticado na região inguinal.

Anderson explicou que seu câncer era raro e que o novo tratamento visava evitar a disseminação da doença para outras áreas.

Internações posteriores

Em setembro de 2023, Anderson foi hospitalizado para tratar uma embolia pulmonar inicialmente diagnosticada como pneumonia. Na época, os outros cinco integrantes do Molejo continuaram suas atividades profissionais.

Andrezinho, Robson Calazans, Jimmy Batera, Claumirzinho e Lucio Nascimento pediram orações pelo cantor. Ele recebeu alta semanas depois, continuando o tratamento oncológico.

Em fevereiro de 2023, Anderson foi novamente internado e recebeu alta dias depois, após passar por um bloqueio de plexo nervoso hipogástrico para aliviar a dor