Suspeita presa por atacar jovem no Paraná disse ter jogado soda cáustica na vítima

Ela foi presa foi nesta sexta (24), em Jacarezinho. Investigação aponta que ciúmes motivou crime. Isabelly Ferreira Moro sofreu queimaduras em várias partes do corpo.

Compartilhe:

Uma jovem de 22 anos foi presa na última sexta-feira (24), suspeita de atacar Isabelly Aparecida Ferreira Moro, de 23 anos, teria utilizado uma mistura de soda cáustica e água. Segundo a polícia, a suspeita confessou durante o interrogatório que cometeu o crime por ciúmes e porque acreditava que a vítima a encarava com deboche.

>> Siga o canal do "Sou Mais Notícias" no WhatsApp e receba as notícias no celular.

O ataque aconteceu na tarde de quarta-feira (22), em uma rua de Jacarezinho, no norte do Paraná. Isabelly estava a caminho da academia quando foi atingida. Ela sofreu queimaduras graves no rosto, peito e boca, sendo internada em estado grave.

De acordo com a delegada Caroline Fernandes, a suspeita afirmou ter comprado o produto utilizado no crime em um supermercado da cidade, 15 dias antes. A defesa da jovem ainda não foi localizada.

A soda cáustica, ou hidróxido de sódio, é uma substância altamente corrosiva utilizada em produtos de limpeza doméstica. Se ingerida, pode causar danos severos ao sistema digestivo e, em casos extremos, ser fatal.

Após o ataque, uma testemunha encontrou uma sacola preta e um copo molhados. A Polícia Científica informou que o material será analisado no laboratório de Química Forense em Curitiba na próxima segunda-feira (27) para confirmar a substância utilizada.

A delegada Caroline Fernandes afirmou que a suspeita confessou o crime e revelou ter descartado a roupa usada no ataque em um matagal. Segundo a delegada, o crime foi motivado por ciúmes e inveja do atual companheiro, que é ex-namorado da vítima e que ainda será ouvido na investigação.

“A suspeita não mostra arrependimento. Pedimos a prisão à Justiça, que expediu o mandado. Foi um crime planejado. Ela disse que queria dar um susto na vítima”, explicou a delegada. A mulher foi presa por homicídio qualificado por motivo fútil, emboscada, meio cruel e feminicídio.

Na tarde de sexta-feira, o Hospital Universitário de Londrina informou que Isabelly teve uma melhora e está consciente, permanecendo internada na Unidade de Terapia Intensiva do Centro de Tratamento de Queimados.

Detalhes da Prisão

Segundo o boletim de ocorrência da PM, a suspeita foi encontrada por volta das 5h de sexta-feira, no pátio de um hotel em Jacarezinho. A polícia a identificou como suspeita após ouvir testemunhas, incluindo a família da vítima, que mencionou brigas anteriores entre Isabelly e seu ex-namorado, atualmente preso por roubo agravado.

Os delegados confirmaram que a suspeita não havia dormido em casa no dia do ataque e não buscou o filho na creche. A polícia também obteve imagens de uma câmera de segurança mostrando a suspeita com uma peruca loira e roupas escuras.

Na casa da avó da suspeita, a polícia encontrou uma peruca castanha. A avó confirmou que a neta tinha uma peruca loira, que foi levada na noite anterior.

Na manhã de sexta-feira, a PM inicialmente informou que a suspeita havia chamado a polícia, alegando estar sendo perseguida. Posteriormente, os delegados corrigiram a informação, explicando que a suspeita pediu ajuda no hotel e um funcionário acionou a PM. Ao ser questionada sobre o envolvimento no caso de Isabelly, a suspeita admitiu o crime e foi presa preventivamente.

Como foi o Ataque

O ataque ocorreu na Alameda Padre Magno, no centro de Jacarezinho. Isabelly estava indo para a academia quando foi atacada com o líquido corrosivo e correu em busca de ajuda. Um vídeo de uma câmera de segurança mostra Isabelly correndo após ser atingida.

Décio Silva, um cabeleireiro, ajudou a vítima, levando-a ao hospital. “Eu peguei a menina, coloquei no carro e levei ela ao hospital. Ela não conseguia falar nada. Não a conheço, mas espero que se recupere. Se Deus quiser, ela vai sair dessa”, disse ele.