Polícia Federal investiga se Abin passava informações sigilosas a filhos de Bolsonaro

Suspeitas deram causa a uma operação da PF que teve como alvo ex-diretor da Abin, o atual deputado federal Alexandre Ramagem.

Compartilhe:

A Polícia Federal investiga se os filhos do ex-presidente Jair Bolsonaro tinham acesso a informações confidenciais da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) durante o mandato do pai, que ocorreu de 2019 a 2022. A suspeita é que essas informações confidenciais eram utilizadas para auxiliar os filhos do presidente em questões judiciais. Essa investigação surge em meio a alegações de tráfico de influência envolvendo o filho de Bolsonaro, Jair Renan.

>> Siga o canal do "Sou Mais Notícias" no WhatsApp e receba as notícias no celular.

As suspeitas incluem a utilização indevida de ferramentas e serviços da Abin para contrainteligência ilícita, visando interferir em diversas investigações da Polícia Federal. Há indícios de que essas práticas tinham como objetivo fornecer provas a favor de Jair Renan Bolsonaro em uma investigação sobre tráfico de influência instaurada em 2021.

O deputado federal Alexandre Ramagem, ex-diretor da Abin e aliado do presidente, é citado na decisão como alguém envolvido nesses supostos usos indevidos de informações confidenciais.

Polícia Federal investiga se Abin passava informações sigilosas a filhos de Bolsonaro
Alexandre Ramagem ao lado de Bolsonaro

A decisão do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), respaldou 21 buscas e apreensões, incluindo a de Alexandre Ramagem. A investigação também busca apurar se a Abin foi utilizada para elaborar relatórios de defesa a favor do senador Flávio Bolsonaro, outro filho do ex-presidente.

>> Participe da comunidade do #SouMaisNoticias no WhatsApp