PF faz operação contra grupo suspeito de movimentar mais de R$ 3 bilhões em contrabando de soja em 5 estados

Policiais Federais cumprem 59 mandados de busca e apreensão e 16 de prisão no Tocantins, Rio Grande do Sul, São Paulo, Santa Catarina e Maranhão.

Compartilhe:

Um grupo suspeito de coordenar um esquema de contrabando de grãos, soja e milho, da Argentina para o Brasil, movimentando cerca de R$ 3,5 bilhões nos últimos cinco anos, é alvo de uma operação da Polícia Federal (PF). Na manhã desta terça-feira (5), a Policiais federais cumpriram 59 mandados de busca e apreensão e 16 mandados de prisão em cinco estados brasileiros: Rio Grande do Sul, São Paulo, Santa Catarina, Tocantins e Maranhão.

Os detalhes sobre o número exato de prisões realizadas ainda não foram divulgados até a última atualização desta reportagem, pela manhã de terça-feira. A operação conta com o apoio da Brigada Militar, Receita Federal, Receita Estadual do RS e Polícia Rodoviária Federal (PRF). As cidades em que os mandados estão sendo cumpridos são listadas abaixo.

Segundo informações da PF, o grupo utilizava portos clandestinos para facilitar a entrada dos produtos no Brasil, efetuando os pagamentos por meio de doleiros e empresas de fachada. A investigação revelou que duas das empresas utilizadas pelos supostos contrabandistas adquiriram cerca de R$ 1,2 bilhão em criptomoedas.

Medidas de bloqueio de contas bancárias vinculadas a pessoas físicas e jurídicas foram implementadas, totalizando R$ 58 milhões, além da apreensão de automóveis, imóveis de luxo e uma aeronave com valor estimado de R$ 3,6 milhões.

A organização criminosa era composta por três núcleos, conforme a apuração da PF iniciada em 2022:

  • Donos de portos clandestinos às margens do Rio Uruguai;
  • Beneficiários e revendedores das mercadorias contrabandeadas;
  • Operadores financeiros.

O grupo realizava operações financeiras ilegais através de doleiros para efetuar pagamentos a fornecedores no exterior. Em alguns casos, as empresas de fachada envolvidas nas transações adquiriram cerca de R$ 1,2 bilhão em criptomoedas. Essas operações eram conduzidas com documentação fraudada, incluindo notas de produtores rurais falsificadas para justificar o grande volume de grãos contrabandeados comercializados, ou emitidas por empresas de fachada.

Ao longo da investigação, foram efetuadas 11 prisões em flagrante, e apreendidas 171 toneladas de soja, farelo de soja e milho, além de caminhões, automóveis, vinhos e agrotóxicos.

Mandados de busca e apreensão estão sendo cumpridos nas seguintes cidades:

  • Cerro Grande (RS) – 3
  • Condor (RS) – 1
  • Crissiumal (RS) – 1
  • Horizontina (RS) – 1
  • Palmeira das Missões (RS) – 22
  • Rodeio Bonito (RS) – 1
  • Santana do Livramento (RS) – 4
  • Santo Ângelo (RS) – 1
  • Tiradentes do Sul (RS) – 9
  • Três Passos (RS) – 7
  • Tuparendi (RS) – 2
  • Itapema (SC) – 1
  • Itaí (SP) – 2
  • São Luís (MA) – 1
  • Palmas (TO) – 3

Mandados de prisão PREVENTIVA expedidos:

  • Palmeira das Missões (RS) – 4

Mandados de prisão TEMPORÁRIA expedidos:

  • Cerro Grande (RS) – 1
  • Crissiumal (RS) – 1
  • Palmeira das Missões (RS) – 3
  • Santana do Livramento (RS) – 1
  • Tiradentes do Sul (RS) – 4
  • Três Passos (RS) – 2

>> Participe da comunidade do #SouMaisNoticias no WhatsApp.