‘Perdi meu salário todo em 15 minutos’, revela vítima do ‘Jogo do Tigre’

Polícia investiga influencers envolvidos com jogo no Paraná e no Maranhão.

Compartilhe:

Neste domingo (3), o Fantástico revelou uma rede de influenciadores do ‘Jogo do Tigre’, que foram presos no Paraná. A reportagem destacou como o esquema criminoso de apostas vem deixando vítimas no prejuízo.Uma delas relata que perdeu todo salário em 15 minutos, com o tal jogo.

“Eu comecei a jogar através de uma blogueira que eu seguia lá na minha cidade. Em 2 meses a mulher comprou um carro zero. Ai a gente fica deslumbrado”, diz a vítima, que prefere não ser identificada.

O deslumbramento virou vício.

“Em 15 minutos, eu perdi meu salário todo. No segundo mês, perdi de novo o meu salário. O terceiro mês, eu perdi de novo. juntando os 3 salários e todo o dinheiro que eu perdi, uns 17 mil por aí. Eu prefiro nem contar, dá uma coisa ruim”, relata.

O apelo do ‘Jogo do Tigre’ é poderoso, mesmo após descobrir que não passa de ilusão.

“Às vezes dá uma vontadezinha de jogar, mas como eu não fico com dinheiro mais, fica com minha mãe ou minha irmã, eu não jogo mais não”, conta.

De motoboy a proprietário de carros de luxo

A polícia investiga o chamado “Jogo do Tigre”, um jogo on-line que promete ganhos fabulosos. Supostos vencedores aparecem ostentando na internet, dirigindo carros de luxo. É um esquema criminoso de apostas, que vem deixando vítimas no prejuízo. E, segundo a investigação, conta com uma rede de influencers que trabalham como aliciadores.

Eles são contratados para aliciar pessoas a apostar dinheiro no tal jogo. Uma atividade considerada ilegal por autoridades brasileiras.De motoboy a proprietário de carros de luxo: veja no vídeo acima como agia o grupo de influenciadores.

“Olha aí, minha rapaziada. Ex-motoboy comprando carro de R$ 1 milhão”, diz o influenciador Du Campelo, em vídeo nas redes sociais.

Eduardo Campelo, Gabriel, Ezequiel e Ricardo fizeram fortuna no jogo. Ou melhor, na propaganda de um jogo por aplicativo. “Eu estou falando que essa plataforma tá um mel. R$ 1.500”, afirma Du Campelo em outro vídeo.

De motoboy a proprietário de carros de luxo: veja como agia grupo de influenciadores do 'Jogo do Tigre' preso no Paraná — Foto: Reprodução/TV Globo
De motoboy a proprietário de carros de luxo: veja como agia grupo de influenciadores do ‘Jogo do Tigre’ preso no Paraná

Os influenciadores aparecem publicando muitos vídeos em redes sociais. E o resultado de tanta sorte: “Agora o pai tá de porsche. Zeramos o game, esquece”.

Foi exatamente a divulgação desse enriquecimento repentino que despertou o interesse da polícia do Paraná.

“Eles eram motoboys, pessoas comuns e num curto espaço de tempo apareceram com diversos carros importados, viagens internacionais”, destaca o delegado da Polícia Civil do Paraná, Thiago Dantas.

O quarteto ganhava dinheiro divulgando plataformas de internet ligadas ao ‘Fortune Tiger’, conhecido também como ‘jogo do tigrinho’. Nessas plataformas, as pessoas se inscrevem, depositam dinheiro e apostam. Há variações do aplicativo com outros animais, mas a finalidade é a mesma.

“São jogos que não tem regulamentação aqui no Brasil. São considerados jogos ilegais, de azar, e muitas vezes esses jogos são em sites fora do Brasil. Já as bets elas têm uma regulamentação, tem uma lei que permite esse tipo de aposta, em que você aposta no resultado. Se vai ser positivo ou negativo para um time, se o sujeito fez um gol”, explica o diretor da faculdade de direito da UFPR, Sérgio Staut Júnior.

Influenciadores enganam seguidores com promessa de fortuna fácil em 'jogo do tigre' — Foto: Reprodução/TV Globo
Influenciadores enganam seguidores com promessa de fortuna fácil em ‘jogo do tigre’ — Foto: Reprodução

As plataformas de jogos ilegais contratam influenciadores para fazer a divulgação. Os quatro de Curitiba tinham cerca de 1 milhão de seguidores. Ganhavam entre 5 mil e 15 mil por campanha de 7 dias.

Eles davam dicas sobre como jogar. Faziam promoções e rifas eletrônicas, queriam conquistar participantes. Segundo a polícia, ganhavam entre R$ 10 e R$ 30 por cada novo cadastrado nas plataformas.

No dia 19 do mês passado, Eduardo, Gabriel e Ricardo foram presos. A polícia apreendeu carros e dólares em espécie. A estimativa é que o grupo tenha movimentado R$ 12 milhões em 6 meses. Ezequiel não foi encontrado.

Grupo envolvido em investigação do 'jogo do tigre' — Foto: Reprodução/TV Globo
Grupo envolvido em investigação do ‘jogo do tigre’ — Foto: Reprodução

Esquema semelhante no Maranhão

A investigação no Paraná não foi a primeira contra esse tipo de jogo. No fim de setembro, um esquema parecido foi descoberto no Maranhão. O primeiro alvo foi a influenciadora Skarlete Melo.

“Hoje fui surpreendida pelos policiais que invadiram minha casa”, diz Skarlete.

Skarlete também fazia publicações para mostrar uma vida de luxo através do jogo. “Mais de R$ 1 milhão em dinheiro foi apreendido, tivemos a apreensão de pelo menos três veículos importados”, destacou o delegado da Polícia Civil do Maranhão, Augusto Barros.

Outros 15 influenciadores já foram ouvidos. O caso motivou a criação de uma lei, já em vigor, que proíbe a divulgação das plataformas de jogos de azar no Maranhão, mas o efeito não foi o esperado.

“O que nós sabemos é que há alguns influencers saindo do estado, mas influenciando a sua base que é aqui. E ao influenciar aqui acabam produzindo os mesmos efeitos nocivos”, completa o delegado do Maranhão.

Além da exploração de jogos de azar, os influenciadores dos dois estados são investigados ainda por suspeita de formação de quadrilha e lavagem de dinheiro. A polícia acredita que não haja representação do jogo do tigrinho no Brasil.

'Jogo do Tigre': Influenciadores do Maranhão também são investigados — Foto: Reprodução/TV Globo
‘Jogo do Tigre’: Influenciadores do Maranhão também são investigados — Foto: Reprodução