Pastor é preso por beijar à força e tocar no corpo de crianças, adolescentes e jovens em Goiás

Segundo a Polícia Civil, pelo menos 15 vítimas entre 11 e 22 anos foram identificadas. O pastor Dagmar José Pereira negou todas as acusações.

Compartilhe:

Um pastor suspeito de crimes sexuais contra crianças, adolescentes e jovens foi preso em Senador Canedo, na Região Metropolitana de Goiânia. De acordo com a Polícia Civil, Dagmar José Pereira se “aproveitava da confiança das famílias” para submeter as vítimas a beijos forçados e toques não consentidos. O pastor negou todas as acusações feitas pelas 15 vítimas identificadas pela polícia.

>> Siga o canal do "Sou Mais Notícias" no WhatsApp e receba as notícias no celular.

A prisão ocorreu nesta terça-feira (28) e o pastor é investigado por importunação sexual e estupro de vulnerável. Ele nega as acusações, e sua defesa disse que está trabalhando para esclarecer os fatos e restabelecer sua liberdade.

O nome e a imagem do pastor foram divulgados pela Polícia Civil conforme a Lei 13.869/19 e por despacho da Delegada de Polícia Titular da DEAM de Senador Canedo, devido à evidência de mais possíveis vítimas e testemunhas.

A polícia relatou que Dagmar José Pereira teria cometido esses crimes ao longo de décadas, tanto em Senador Canedo quanto em Parauapebas, no Pará, onde residiu entre 2007 e 2016.

Histórico de crimes sexuais

A Polícia Civil detalhou que os crimes foram praticados pelo suspeito ao longo de décadas contra vítimas com idades entre 11 e 22 anos. As vítimas descreveram que o pastor as forçava a beijos na boca e tocava de forma não consentida seus seios, nádegas e região genital.

“Também relataram que Dagmar as abraçava forçadamente, pressionando-as propositalmente contra seu órgão genital. Uma das vítimas narrou ter sido submetida à prática de sexo oral”, afirmou a delegada Gabriela Moura.

Além disso, o pastor já havia sido indiciado anteriormente por estupro de uma criança menor de 14 anos, em uma investigação concluída em 2005 pela Delegacia de Nerópolis.

O que diz a defesa do pastor

Os advogados de defesa, Dra. Gessyca Amorim e Dr. Marcos Bastos, estavam cientes do mandado de prisão expedido contra o Sr. Dagmar. No entanto, é importante destacar que o próprio Sr. Dagmar expressou a vontade de comparecer espontaneamente à sede policial, decisão apoiada e orientada por seus defensores, mesmo diante da existência do mandado de prisão.

Ressalta-se, ainda, que tanto a defesa quanto o investigado sempre estiveram à disposição da Polícia Civil, colaborando com as investigações e mantendo uma postura de respeito e cooperação com as autoridades competentes.

O investigado nega as acusações feitas, e a defesa trabalha para esclarecer os fatos e restabelecer sua liberdade.