Operação mira compra de respiradores durante a pandemia em prefeitura do Tocantins

O Gaeco, com apoio da Polícia Civil e Científica, cumpre 17 mandados em operação. Investigação apura superfaturamento na prefeitura de Gurupi.

Compartilhe:

Uma operação deflagrada nesta terça-feira (5), cumpre mandados de busca e apreensão em uma operação que investiga possíveis fraudes na aquisição de respiradores mecânicos pela prefeitura de Gurupi durante a pandemia de Covid-19.

>> Siga o canal do "Sou Mais Notícias" no WhatsApp e receba as notícias no celular.

Um dos mandados foi executado na Secretaria Municipal de Saúde de Gurupi. A administração municipal afirmou que os acontecimentos ocorreram durante a gestão anterior e está colaborando com as investigações.

A ação é coordenada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público do Tocantins, com o apoio da Polícia Civil e Científica. Foram cumpridos 17 mandados em residências e empresas nas cidades de Gurupi, Porto Nacional, Palmas e Nerópolis (GO).

Segundo o MP, são alvos de investigação ex-gestores públicos, servidores públicos e empresários que teriam atuado de forma coordenada para desviar recursos públicos municipais por meio de contratações superfaturadas e sem licitação.

Operação mira compra de respiradores durante a pandemia em prefeitura do Tocantins
Foto: Divulgação

Ainda de acordo com o Ministério Público, os respiradores foram adquiridos em agosto de 2020 sob a justificativa de urgência para ampliação dos leitos de suporte ventilatório na Unidade de Pronto Atendimento (UPA). No entanto, apesar da alegada urgência, os respiradores nunca foram instalados, conforme constatado pela investigação.

A operação recebeu o nome de Ruach, que significa “sopro” ou “respiração” em hebraico.

Por meio de nota, a prefeitura de Gurupi informou que a decisão judicial apresentada durante a operação Ruach está relacionada à aquisição de respiradores para atendimento a pacientes durante a pandemia de COVID-19, realizada no ano de 2020, durante a gestão anterior. A administração municipal também afirmou estar colaborando com as investigações e fornecerá todas as informações solicitadas.

>> Participe da comunidade do #SouMaisNoticias no WhatsApp