Mulher é morta com 18 facadas e golpe de enxada após ela se recusar a fazer sexo com agressor

Suspeito foi preso e segundo o delegado, ele agiu com extrema brutalidade e violência. Homem já tinha agredido a vítima no ano passado, mas ela não deu continuidade na denúncia.

Compartilhe:

A Polícia Civil prendeu um homem suspeito de um crime brutal em Rio Verde, sudoeste de Goiás. Ele é apontado como principal suspeito de assassinar uma mulher com 18 facadas e um golpe de enxada na cabeça. De acordo com as investigações, o homicídio ocorreu após Jéssica Martins de Souza, de 31 anos, recusar-se a manter relações sexuais com o suspeito.

>> Siga o canal do "Sou Mais Notícias" no WhatsApp e receba as notícias no celular.

O nome do suspeito não foi revelado pelas autoridades. Ele foi repso no domingo (18), próximo a um posto de combustíveis na BR-452, nas proximidades do local do crime. Segundo a polícia, o indivíduo era conhecido de Jéssica e do marido dela, frequentando habitualmente a residência do casal.

No dia 1º de fevereiro, o suspeito aproveitou-se da ausência do marido de Jéssica para tentar coagi-la a manter relações sexuais. Diante da recusa dela, o agressor a atacou violentamente, resultando em sua morte.

Mulher morta com 18 facadas e golpe de enxada após ela se recusar a fazer sexo
Foto: Divulgação

O delegado Adelson Candeo, encarregado do caso, ressaltou a extrema brutalidade e violência do agressor.

“O corpo foi descoberto por trabalhadores próximos ao local, que costumavam vê-la diariamente. Naquele dia, ao não vê-la, chamaram-na e, ao não obter resposta, foram até sua residência e a encontraram caída em meio a uma poça de sangue”, detalhou o delegado Adelson Candeo.

Histórico violento

O suspeito possui um histórico de violência e é usuário de drogas. Segundo o delegado, em agosto do ano passado, o homem agrediu Jéssica gravemente, chegando a colocar sua vida em risco. Além disso, ele também desferiu duas facadas no peito de uma testemunha que optou por não denunciá-lo à delegacia.

“Naquele dia, ele só não a matou porque o marido dela interveio, mas atualmente o marido está detido e ela residia sozinha”, explicou o delegado.

O caso chegou a ser encaminhado à Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (Deam), porém a vítima optou por não prosseguir com a denúncia.

>> Participe da comunidade do #SouMaisNoticias no WhatsApp

Jéssica não possuía medidas de proteção contra o suspeito. Conforme relatou o delegado, na época, ela informou que não mantinha qualquer relação afetiva com ele, levando ao encerramento do registro na delegacia.

No mês anterior, o mesmo indivíduo tentou assassinar seu ex-patrão, exigindo que uma funcionária permanecesse com ele. Apesar de não ter tido sucesso, retornou mais tarde e incendiou a oficina do ex-empregador.

Mesmo diante de tais acontecimentos, o delegado explicou que o ex-patrão optou por não procurar a delegacia por medo.