Mais de 12 mil pessoas foram vítimas de golpes de estelionatários no Tocantins em 2023

Segundo dados da Secretaria de Segurança Pública, houve aumento de 3,27% em relação a 2022, quando 12.074 pessoas foram vítimas de golpes.

Compartilhe:

O crime de estelionato afetou 12.469 vítimas no Tocantins no ano passado, representando um aumento de 3,27% em relação a 2022, quando 12.074 pessoas foram vítimas de golpes. Os dados, provenientes da Secretaria da Segurança Pública (SSP), indicam que somente nos primeiros dezoito dias deste ano, 337 vítimas foram registradas. O estelionato figura como o terceiro crime mais registrado no Tocantins, sendo classificado como o segundo ao longo de todo o ano passado.

>> Siga o canal do "Sou Mais Notícias" no WhatsApp e receba as notícias no celular.

Uma análise realizada pela Polícia Civil, através da Delegacia Especializada de Repressão a Furtos e Roubos de Veículos Automotores (DERFRVA), identificou os principais golpes envolvendo a compra e venda de veículos no estado.

Esses golpes incluem:

  • Golpe do Bem Bolado: Um criminoso, frequentemente um detento, seleciona anúncios online de veículos à venda, replica-os com seu contato falso no WhatsApp e oferta o veículo por um preço abaixo da tabela FIPE (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas).
  • Golpe do Veículo de Locadora: O criminoso aluga um carro em uma locadora de outro estado, transfere o veículo para um laranja usando documentos falsos e, posteriormente, revende o carro a terceiros de boa-fé. Após 60 dias, o comprador descobre que o veículo é de locadora.
  • Golpe do Veículo Financiado: O golpista vende um veículo financiado, alegando que está quitado. No entanto, dias após a compra, o comprador descobre que o veículo ainda está financiado, pois o golpista, utilizando documentos falsos, financia o veículo antes de revendê-lo.
  • Carro Clonado: Veículos roubados ou furtados são clonados, adulterando todos os sinais identificadores em outro veículo regular que circula em outro estado. A fraude é descoberta durante a vistoria de transferência do veículo junto ao Departamento de Trânsito (Detran).
  • Moto de Leilão: Motos roubadas ou furtadas são vendidas como se fossem provenientes de leilão, frequentemente com placas falsas, motores e chassis adulterados.

Em relação a compra de veículos, o delegado Rossilio Souza Correia recomenda cautela, sugerindo a escolha de concessionárias estabelecidas no mercado. Ele aconselhou pesquisas junto a outros clientes, realização de perícia particular no veículo, verificação do histórico automotivo, busca pelos antigos proprietários e recusa de transferência de dinheiro para terceiros sem a devida verificação presencial.

>> Participe da comunidade do #SouMaisNoticias no WhatsApp.