Carlos Bolsonaro entra na mira da PF em ação que investiga espionagem ilegal pela Abin

Vereador do Rio de Janeiro, Carlos Bolsonaro foi um dos alvos dos mandados de busca e apreensão. Uma das buscas foi na casa onde Bolsonaro fez live. Ex-presidente e filhos deixaram o local de barco.

Compartilhe:

A Polícia Federal realizou, nesta segunda-feira (29), uma operação de busca e apreensão em uma residência em Angra dos Reis, no Rio de Janeiro, onde Jair Bolsonaro fez uma transmissão ao vivo nas redes sociais no domingo (28). O ex-presidente e seus filhos estavam na casa durante a manhã e partiram de barco. Não houve mandados de prisão.

>> Siga o canal do "Sou Mais Notícias" no WhatsApp e receba as notícias no celular.

Além da residência de Bolsonaro, a operação também teve como alvo possíveis destinatários de informações coletadas ilegalmente pela Agência Brasileira de Inteligência (Abin), incluindo o vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ). Mandados foram autorizados para sua residência e gabinete na Câmara Municipal do Rio de Janeiro.

De acordo com fontes da Polícia Federal, celulares e dispositivos eletrônicos de todos presentes na casa serão recolhidos, não se limitando apenas a Carlos. Ele e o ex-presidente retornaram ao local no final da manhã.

Carlos Bolsonaro entra na mira da PF em ação que investiga espionagem ilegal pela Abin
Foto: Reprodução

A residência de veraneio da família Bolsonaro já foi destaque em outras ocasiões, pois está situada na mesma rua da ex-assessora parlamentar Walderice Santos da Conceição, conhecida como Wal do Açaí, suspeita de ter sido funcionária fantasma do gabinete do ex-presidente quando ele era deputado federal.

Em novembro do ano passado, o Tribunal Regional Federal da Primeira Região (TRF-1) rejeitou um recurso, mantendo uma ação de improbidade administrativa contra o ex-presidente, iniciada em 2018.

A Polícia Federal teria apreendido um computador da Abin com Carlos Bolsonaro, segundo fontes da operação, embora a PF negue oficialmente.

O ministro Alexandre de Moraes, relator do caso, autorizou os mandados.

Atuação ilegal da Abin

A suspeita da Polícia Federal é que, durante o governo de Jair Bolsonaro, a Abin atuou como uma ferramenta de coleta de informações ilegais, sem autorização judicial, e também como fonte de informações falsas, que foram posteriormente disseminadas por perfis de extrema direita para difamar instituições e autoridades.

A Abin também teria sido acionada para proteger os filhos de Jair Bolsonaro de investigações da Polícia Federal.

Carlos Bolsonaro, vereador desde 2001 e em seu sexto mandato consecutivo, foi apontado como chefe do chamado “gabinete do ódio”, uma estrutura paralela no Palácio do Planalto dedicada a atacar adversários e instituições, conforme afirmou o ex-braço-direito de Jair Bolsonaro, Mauro Cid.

O filho do ex-presidente ainda não se pronunciou sobre a operação até o momento.

Abin paralela

Esta operação de segunda-feira (29) é uma continuação da realizada na quinta-feira (25), quando Alexandre Ramagem, ex-diretor da Abin, foi alvo de buscas. Os mandados foram expedidos pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes. Segundo a decisão, Ramagem teria utilizado a Abin para realizar espionagem ilegal em favor da família Bolsonaro.

Os alvos incluíam autoridades, desafetos e pessoas envolvidas em investigações contra membros da família Bolsonaro, como Jair Renan (suspeito de estelionato) e Flávio Bolsonaro (caso das rachadinhas).

Nesta segunda-feira (29), o presidente do Congresso, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), declarou que iria solicitar ao STF a lista de parlamentares que foram monitorados pela Abin.

Computador da Abin é encontrado na casa de um dos alvos

Um computador da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) foi localizado na casa do militar Giancarlo Gomes Rodrigues, que também foi alvo da operação da PF. A operação envolveu buscas e apreensões em endereços de pessoas suspeitas de estarem ligadas ao esquema de espionagem ilegal na Abin.

Giancarlo Gomes Rodrigues é ex-assessor do deputado federal Alexandre Ramagem (PL-RJ), que foi chefe da Abin durante o governo de Jair Bolsonaro. A esposa de Giancarlo é servidora da agência. O computador foi apreendido pela PF para análise e para verificar quem, de fato, utilizava o equipamento.

Carlos Bolsonaro entra na mira da PF em ação que investiga espionagem ilegal pela Abin
Foto: Divulgação

De acordo com os autos do processo, a Polícia Federal suspeita que “Giancarlo Gomes Rodrigues, por ordem do Dr. Alexandre Ramagem, teria realizado monitoramento injustificado do advogado Roberto Bertholdo, que tinha proximidade com os ex-deputados Joice Hasselmann e Rodrigo Maia, na época considerados adversários políticos do governo”.

“Conforme informações policiais, Giancarlo Gomes Rodrigues é militar e, na época dos acontecimentos, estava cedido à ABIN, sendo lotado no Centro de Inteligência Nacional (CIN) e operando a ferramenta First Mile, cujo desvirtuamento é objeto de investigação em curso. Sua conduta apurada até o momento sugere que a busca e apreensão pode revelar elementos relevantes para o avanço das apurações em curso.”

Computadores e celulares foram apreendidos

A operação da Polícia Federal (PF) que investiga o uso ilegal da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) realizou a apreensão de três notebooks, 11 computadores e quatro celulares em endereços vinculados ao vereador do Rio de Janeiro Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ) nesta segunda-feira (29).

Os itens apreendidos e os locais onde foram encontrados são os seguintes:

  • Casa em Angra dos Reis:
    • Um celular
    • Três notebooks
  • Casa na Barra da Tijuca, no Rio:
    • Um computador
    • Dois celulares antigos
    • Dez pendrives
    • Uma caneta espiã
    • Agenda com anotações diversas
  • Comitê do vereador na cidade do Rio:
    • Diversos documentos
    • Documentos de empresas
    • Um computador
    • Diversas mídias
  • Câmara dos Vereadores do Rio:
    • Nove computadores no gabinete
    • Um celular
    • Documentos em geral

Todos os itens apreendidos pela PF foram lacrados e serão enviados para a equipe que conduz as investigações em Brasília.

Os investigadores constataram que os alvos das buscas e apreensões desta segunda-feira demonstraram extrema preocupação com o material apreendido, que será periciado no Distrito Federal.

De acordo com eles, há fortes indícios de que informações, supostamente obtidas ilegalmente por meio de espionagem clandestina, estavam sendo armazenadas em computadores não conectados à internet ou a qualquer rede. Esses equipamentos eram utilizados exclusivamente para receber arquivos provenientes do que seria resultado da espionagem da “Abin paralela”.

Centenas de informações sensíveis, coletadas sobre diversos alvos, serão analisadas por peritos federais.

>> Participe da comunidade do #SouMaisNoticias no WhatsApp