Ala de presídio em que ‘Dad Charada’ morreu é monitorada e laudo da morte fica pronto em 10 dias, diz secretaria

Ele era apontado pela polícia como mandante de vários mortes em Palmas. Caso é investigado pela Delegacia de Homicídios de Araguaína, onde ele estava preso.

Compartilhe:

O laudo sobre a morte de Carlos Augusto Silva Fraga, conhecido como Dad Charada, será concluído em dez dias. Ele foi apontado pela polícia como mandante de pelo menos 50 mortes em Palmas e foi encontrado morto em uma ala monitorada do presídio Barra da Grota, em Araguaína, no último domingo (20).

>> Siga o canal do "Sou Mais Notícias" no WhatsApp e receba as notícias no celular.

Dad Charada foi preso no Rio Grande do Sul e transferido para o Tocantins no dia 11 de julho. Inicialmente, ele ficou na Casa de Prisão Provisória de Palmas, mas dias depois foi transferido para a Unidade Penal Barra da Grota, em Araguaína.

Leia também

A Secretaria de Segurança Pública (SSP) informou que ele permaneceu em isolamento durante todo o tempo que esteve no presídio, e a ala em que estava era monitorada em tempo integral. A morte está sendo investigada pela 2ª Divisão Especializada de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) de Araguaína.

A família do preso planeja processar o Estado, alegando que a responsabilidade civil estatal pela integridade dos custodiados é objetiva, considerando os riscos inerentes ao ambiente prisional impostos pelo próprio Estado.

Foto: Divulgação

Segundo a defesa, em 19 de julho, foi solicitado que o detento ficasse em uma cela separada devido a supostas ameaças de morte que ele vinha recebendo. Um e-mail nesse sentido foi enviado ao diretor do presídio de Palmas.

A Secretaria da Segurança Pública do Tocantins reafirmou que Dad Charada recebeu todos os cuidados devidos aos custodiados do Sistema Penal do estado, respeitando os Direitos Humanos. Embora haja indícios de que ele tenha tirado a própria vida, o caso está sendo investigado pela 2ª DHPP – Araguaína, que esteve no local para coletar elementos para a investigação.

Maria Lúcia Soares, representante da Comissão de Direitos Humanos da OAB, ressalta que o governo do estado possui a obrigação especial de proteger todos os custodiados, garantindo sua integridade física e moral.

Ela destaca que, no caso das supostas ameaças que Charada vinha sofrendo, o cuidado com o presidiário deve ser redobrado. A advogada ressalta que, embora ele seja um preso provisório, o Estado deveria ter oferecido maior vigilância, considerando as notícias de ameaças à sua vida.

Onda de violência em Palmas

Em 2023, Palmas tem enfrentado uma onda sem precedentes de violência e assassinatos. Até o fim de junho deste ano, a cidade registrou 90 mortes, um aumento de 210% em comparação ao mesmo período do ano anterior, quando foram registrados 29 óbitos.

A Secretaria de Segurança Pública (SSP) atribui mais de 60% das mortes a uma guerra entre facções. No entanto, levantamentos indicam que mais da metade das vítimas de homicídio até 15 de maio não tinham registros policiais.

Dad Charada e sua atuação no crime

O criminoso Dad Charada, conhecido por seu perfil meticuloso e empresarial, rapidamente ascendeu na hierarquia de uma facção criminosa, segundo investigações da Polícia Civil. Ao mudar de grupo criminoso, ele utilizou táticas de marketing digital para vender drogas em Palmas, abrindo lojas virtuais e até criando uma central de atendimento ao cliente.

Nas redes sociais, a polícia encontrou tabelas de preços para as drogas e o grupo utilizava até cartão fidelidade para usuários e venda de camisas com a identidade visual da facção.

O que diz a SSP

A Secretaria da Segurança Pública do Tocantins informa que o laudo cadavérico sobre a morte de Carlos Augusto Silva Fraga, conhecido como Dad Charada, deve ser finalizado em até dez dias e remetido a autoridade policial responsável pela investigação.

A SSP-TO reitera que, embora haja evidências de suicídio, o caso será investigado pela 2ª Divisão Especializada de Homicídios e Proteção à Pessoa (2ª DHPP – Araguaína), cuja equipe esteve no local colhendo elementos para a investigação.

Por sua vez, a Secretaria da Cidadania e Justiça (Seciju) informa que desde o momento de sua recepção na Unidade de Tratamento Penal Barra da Grota (UTPBG), Carlos Augusto Silva Fraga, Dad Charada, foi atendido com todos os cuidados voltados aos custodiados do Sistema Penal do Tocantins, respeitando os Direitos Humanos.

Vale destacar que o custodiado também ficou em isolamento em todo tempo na UTPBG desde o momento de sua chegada.

Esta Secretaria informa ainda que há monitoramento em tempo integral na ala onde o mesmo estava alojado.

A Seciju está prestando todas as informações necessárias, juntamente com a Secretaria de Segurança Pública, a fim de que sejam sanadas e esclarecidas todas as dúvidas acerca deste caso.