Turista é preso suspeito de racismo contra funcionários de resort em Goiás

Turista teria dito que sentia nojo do local por ter funcionários negros, nordestinos e homossexuais, segundo a Polícia. Hóspedes presenciaram o crime.

Compartilhe:

Um turista, que não teve o nome revelado, foi preso por pratica de atos racistas contra funcionários de um resort na cidade de Rio Quente, região sul do estado. De acordo com informações da Polícia Militar (PM), o homem questionou a um funcionário da recepção do local sobre a razão da empresa contratar funcionários negros, nordestinos e homossexuais.

>> Siga o canal do "Sou Mais Notícias" no WhatsApp e receba as notícias no celular.

O caso aconteceu na segunda-feira (9), quando o turista foi detido. Segundo relatos de um funcionário do resort, que preferiu manter o anonimato, o visitante chegou ao local pedindo para falar com o gerente, expressando insatisfação por ter sido atendido por funcionários negros, nordestinos e homossexuais.

O funcionário ainda informou que, ao se referir aos funcionários negros, o visitante fez gestos simulando sujeira na pele. Além disso, relatou que o homem expressou sua aversão aos trabalhadores, afirmando que não retornaria ao resort devido ao nojo que sentia por eles.

Em comunicado, o Rio Quente Resorts destacou seu compromisso com a diversidade, equidade e inclusão, afirmando que não tolera qualquer forma de agressão física ou verbal. A empresa também se colocou à disposição dos funcionários que foram vítimas das ofensas.

Segundo informações adicionais da PM, além dos funcionários, os hóspedes do resort também foram testemunhas das declarações do suspeito. Ao ser abordado pelos policiais, o turista alegou ter comentado com o funcionário que havia nordestinos trabalhadores, enquanto outros eram preguiçosos.

O homem foi conduzido para a Central de Flagrantes do município e autuado pelo crime de racismo. Se condenado, ele pode enfrentar até três anos de reclusão, além de ser obrigado a pagar multa.