Polícia identifica suspeitos de invadir casa e matar criança de 5 anos e padrasto em Palmas

Crime aconteceu em uma casa do Jardim Aureny I, em março deste ano. Outra criança de 7 anos e um adolescente de 17 ficaram feridos.

Compartilhe:

A Polícia Civil identificou os três homens suspeitos de invadir uma casa em Palmas como responsáveis pelo assassinato de Carlos André Costa Soares, um menino de 5 anos, que foi morto com um tiro no pescoço. O padrasto da criança, Daniel Silva do Nascimento, de 22 anos, também foi baleado e faleceu cinco dias depois.

Crime aconteceu no Jardim Aureny I, em março deste ano. ,Durante o ataque, o irmão de Daniel, um adolescente de 17 anos, e a irmã de 7 anos de Carlos André também foram feridos, mas sobreviveram.

Foto: TV Anhanguera

Os mandados de prisão preventiva foram cumpridos contra um homem de 33 anos e outros dois de 21 anos, que já estavam detidos na Unidade Penal de Palmas. Dois dos suspeitos enfrentam acusações relacionadas a outros crimes, enquanto um deles seria libertado após o término de sua prisão temporária solicitada durante a investigação do caso em Aureny I. A fim de evitar sua libertação, a prisão preventiva foi solicitada e autorizada pelo tribunal.

O crime

Segundo a polícia, no dia do crime, dois dos suspeitos abordaram a mãe de Carlos André na porta da casa, buscando informações sobre as pessoas presentes no local. Eles estavam procurando membros de um grupo criminoso rival. Após descobrirem quem estava dentro da residência, os suspeitos se apresentaram como policiais, ordenaram que todos colocassem as mãos na cabeça e, quando o irmão de Daniel desobedeceu, abriram fogo dentro da casa. Após os disparos, eles fugiram.

Foto: Divulgação

Carlos André foi atingido no pescoço e morreu em um dos quartos da casa. As marcas indicaram que o menino teria tentado fugir, mas mesmo assim foi baleado. Daniel também foi alvejado e levado ao Hospital Geral de Palmas, onde faleceu em 5 de abril. O irmão de Daniel conseguiu escapar pulando o muro da casa,. Ele foi resgatado e levado ao hospital também.

Investigação

Durante a investigação, descobriu-se que um terceiro homem estava presente na casa, mas ele conseguiu se esconder debaixo de uma cama e saiu ileso. A mãe das crianças também não sofreu ferimentos e acompanhou a menina de 7 anos para atendimento médico.

As câmeras de segurança da região ajudaram a identificar um carro branco associado aos suspeitos. O veículo desapareceu das imagens logo após o crime, enquanto dois indivíduos, os suspeitos de 21 anos, entraram na casa e saíram correndo na direção em que o carro estava. Imagens de um posto de combustível mostraram um deles abastecendo e forneceram uma imagem clara do rosto do motorista do carro branco, um homem de 33 anos.

Dois dias após as mortes, o carro foi encontrado abandonado na BR-010, contendo documentos do homem visto nas imagens do posto de combustível. Esse indivíduo foi preso em 15 de maio e confessou que estava dirigindo o veículo branco. A polícia descobriu que ele deveria estar usando uma tornozeleira eletrônica, pois já estava cumprindo pena, mas o dispositivo havia sido entregue à Polícia Penal pela mãe do suspeito em 8 de março.

Os outros dois suspeitos identificados, responsáveis pelos disparos dentro da casa, foram presos pela Guarda Metropolitana em 12 de maio, juntamente com outros três suspeitos e armas de fogo, na região sul de Palmas. Além dos homicídios do menino e do padrasto, a dupla está sendo investigada pela morte de um motoboy, Ayrton Evangelista de Araújo, ocorrida em 9 de maio na capital. Os três suspeitos serão indiciados não apenas pelos assassinatos, mas também por duas tentativas de homicídio contra o irmão de Daniel e a menina de 7 anos, irmã de Carlos André.

Onda de violência

As vítimas estão dentro da onda de assassinatos registrados na capital. De acordo a plataforma com estatísticas de crimes registrados pela Polícia Civil, 90 pessoas foram mortas somente em Palmas de 1º de janeiro até 12 de julho deste ano. No mesmo período de 2022, foram registrados 31 homicídios.