Câmera registra momento em que motoboy implora para não morrer: ‘Socorro, eu tô trabalhando, mano’

Crime aconteceu no dia 9 de maio, em Palmas. Criminosos teriam pedido pizza onde o Ayrton Evangelista trabalhava. Vítima foi perseguida antes da execução.

Compartilhe:

Os dois suspeitos que foram indiciados pelo crime de homicídio nesta quinta-feira (6), teriam perseguido a vítima, o motoboy Ayrton Evangelista de Araújo, até a execução, após montar uma emboscada, em Palmas. O crime ocorreu em 9 de maio deste ano.

Os suspeitos, ambos com 21 anos de idade, foram presos em 12 de maio, após serem flagrados com armas de fogo e um carro roubado pela Guarda Metropolitana de Palmas. Outros três homens que estavam com eles também foram detidos.

Segundo a Polícia Civil, a investigação aponta que, no dia 8 de maio, os criminosos chegaram a uma pizzaria na região sul de Palmas, onde Ayrton trabalhava como motoboy, utilizando uma moto e um carro. Eles compraram uma pizza para verificar se o alvo estava no local, enquanto a dupla indiciada permaneceu no carro, observando a movimentação da vítima.

O crime ocorreu após a meia-noite, na madrugada do dia 9, quando Ayrton saiu do trabalho junto com um amigo, cada um em uma moto. O amigo percebeu que estavam sendo seguidos e alertou o motoboy, mas um dos criminosos que estava na garupa da moto disparou contra a vítima. Ayrton caiu da moto e os suspeitos se aproximaram para efetuar mais três disparos. O incidente ocorreu próximo à casa do amigo, onde Ayrton estava indo. Câmeras de segurança registraram o momento e captaram os apelos da vítima por ajuda e sua súplica para não ser morto: Socorro, eu tô trabalhando, mano’.

Assista o vídeo:

Investigação

Quando os suspeitos foram presos três dias após o assassinato, a polícia encontrou com eles cinco armas de fogo, incluindo uma .40, uma 9mm e três de calibre 380, além de celulares, capacetes, munições, relógios e joias. O veículo e a moto utilizados na emboscada também foram apreendidos.

Foto: Divulgação/SSPTO

O delegado Eduardo Menezes, responsável pela investigação, destacou o planejamento do crime, que envolveu quatro criminosos, posicionamento estratégico de dois veículos em locais diferentes e até a compra de uma pizza para confirmar a presença do alvo no estabelecimento. Ele mencionou que a dupla interagiu com o garçom pedindo a senha do wi-fi.

Com a conclusão do inquérito, a Polícia Civil encaminhou o documento ao Ministério Público do Tocantins, solicitando a denúncia dos suspeitos. No entanto, a investigação continua para identificar os outros dois suspeitos envolvidos no assassinato.