Serralheiro é preso suspeito de estupros em série em Goiás

Polícia Civil diz que Daniel Mauricio de Oliveira é suspeito de ter cometido os crimes contra pelo menos oito mulheres. Seis vítimas tiveram os crimes comprovados por DNA.

Compartilhe:

Um serralheiro foi preso suspeito de uma série de estupros na região metropolitana de Goiânia. De acordo com a Polícia Civil, Daniel Mauricio de Oliveira é investigado por supostamente ter cometido os crimes contra pelo menos oito mulheres entre os anos de 2015 e 2024.

>> Siga o canal do "Sou Mais Notícias" no WhatsApp e receba as notícias no celular.

A prisão do indivíduo ocorreu no sábado (23), no bairro Solange Park, em Goiânia. O nome e a imagem dele foram divulgados pelas autoridades na esperança de identificar eventuais novas vítimas.

As vítimas identificadas na investigação liderada pela delegada Amanda Menuci tinham idades que variavam entre 11 e 57 anos no momento dos crimes. Seis delas tiveram os crimes confirmados por meio de análises de DNA. Cinco dos ataques ocorreram em Goiânia, enquanto os outros três ocorreram em Trindade, Santa Bárbara de Goiás e Goianira.

Segue abaixo a cronologia dos crimes:

  • 1º de janeiro de 2015: uma vítima de 22 anos, na zona rural de Trindade.
  • 30 de dezembro de 2016: uma vítima de 11 anos, no bairro Jardim Cerrado, em Goiânia.
  • 20 de fevereiro de 2018: uma vítima de 34 anos, na rodovia GO-060, em Santa Bárbara.
  • 18 de janeiro de 2020: uma vítima de 56 anos, abordada no bairro Jardim Curitiba, em Goiânia, e deixada na GO-070, em Goianira.
  • 2 de julho de 2022: uma vítima de 22 anos, em Goiânia.
  • 4 de maio de 2023: uma vítima de 56 anos, em Goiânia.
  • 10 de dezembro de 2023: uma vítima de 24 anos, em Goiânia.
  • 16 de março de 2024: uma vítima de 55 anos, em Goiânia.

Conforme a Polícia Civil, todas as vítimas descreveram o agressor da mesma maneira durante a investigação: um homem de estatura mediana, branco, sem barba e com cabelos grisalhos. A delegada explicou que as vítimas não tinham nenhuma conexão entre si ou com o suspeito, sendo selecionadas aleatoriamente conforme a oportunidade.

A investigação dos diversos casos ocorreu de forma independente até que a relação entre eles fosse estabelecida. Foi o trabalho da Polícia Técnico-Científica que revelou a conexão entre o material genético do suspeito encontrado nas vítimas.

Quanto aos métodos de abordagem e execução dos crimes, a investigação conjunta da Polícia Civil e da Polícia Técnico-Científica demonstrou que as vítimas eram abordadas nas ruas, especialmente em pontos de ônibus. Em alguns casos, o suspeito usava armas ou facas para ameaçar as mulheres e forçá-las a entrar nos veículos.

Em dois dos casos, o indivíduo ofereceu carona às mulheres, que aceitaram voluntariamente entrar no veículo. A delegada Amanda Menuci explicou que, nessas situações, o suspeito fingia compartilhar a mesma religião das vítimas para ganhar sua confiança durante o trajeto.

>> Participe da comunidade do #SouMaisNoticias no WhatsApp

A polícia informou ainda que, na maioria dos casos, o suspeito usava alguma substância para incapacitar as vítimas, reduzindo sua capacidade de resistência sem deixá-las completamente inconscientes.

Em praticamente todos os crimes, as vítimas foram deixadas em locais isolados, como rodovias. No entanto, a delegada mencionou que um dos crimes, não confirmado por DNA, diferiu do modus operandi padrão do suspeito. O incidente de 2024 ocorreu na residência da vítima.

Apesar da variação na forma de cometer o crime, a delegada afirmou que a vítima conseguiu fornecer uma descrição precisa do agressor e do veículo utilizado. Além disso, o celular da vítima foi encontrado com o filho do suspeito, depois que Daniel instruiu o filho a se livrar do aparelho. O filho do suspeito foi detido por receptação.