Réu por matar ex-mulher e namorado dela enquanto dormiam é condenado a 44 anos de prisão

Vítimas foram assassinadas com tiros na cabeça em assentamento de Peixe, no sul do Tocantins. Francisco Gomes Netor está preso e ainda pode recorrer da sentença.

Compartilhe:

O agricultor Francisco Gomes Neto, de 51 anos, foi condenado a mais de 44 anos de prisão pelo assassinato da ex-companheira e do namorado dela. O crime ocorreu no município de Peixe, no sul do estado. As vítimas foram mortas a tiros na cabeça enquanto dormiam.

>> Siga o canal do "Sou Mais Notícias" no WhatsApp e receba as notícias no celular.

O julgamento de Francisco, realizado por júri popular, ocorreu nesta quinta-feira (16) no Fórum de Peixe. A Defensoria Pública, que representou o réu, afirmou ter solicitado a inclusão de perícias no processo e irá analisar as provas apresentadas. Francisco está preso e ainda pode recorrer da sentença.

O duplo homicídio ocorreu no assentamento Bananal, na zona rural do município. Francisco fugiu após o crime, mas foi encontrado horas depois. Na época, a PM revelou que ele já havia sido preso por violência doméstica contra a ex-companheira, motivo pelo qual ela tinha uma medida protetiva.

Segundo o Tribunal de Justiça, os jurados consideraram Francisco Gomes Neto culpado pelo homicídio do namorado da ex-companheira e pelo feminicídio dela. Os crimes foram qualificados por motivo fútil, devido à não aceitação do fim do relacionamento, e foram cometidos enquanto as vítimas dormiam, tornando impossível a defesa delas.

Francisco foi condenado a 44 anos, 10 meses e 10 dias de prisão em regime fechado. A juíza Ana Paula Araújo Aires Toribio considerou as reincidências do réu em outras quatro ações criminais e as circunstâncias que dificultaram a defesa das vítimas, além da motivação de gênero (feminicídio).

O que diz a Defensoria Pública

A Defensoria Pública do Estado do Tocantins informou que, ao final do júri, solicitou ao Judiciário a inclusão no processo do resultado de várias perícias da Polícia Civil realizadas durante a investigação, que estavam ausentes nos autos durante o julgamento. O pedido foi deferido pela magistrada e agora a instituição aguarda o resultado para analisar as provas.