Pastor que prometeu lucro de um ‘octilhão’ de reais e lesou mais de 50 mil vítimas é preso no Tocantins

Osório José foi localizado em um rancho na zona rural e foi levado para a Delegacia de Gurupi, no sul do estado para prestar depoimento.

Compartilhe:

O pastor Osório José Lopes Júnior, procurado pela Polícia Civil do Distrito Federal devido ao seu envolvimento em um esquema de golpes financeiros que prejudicou mais de 50 mil vítimas no Brasil e no exterior, foi detido no sul do estado. Segundo a Polícia Civil do Tocantins, ele foi localizado na cidade de Sucupira na tarde desta quinta-feira (21).

>> Siga o canal do "Sou Mais Notícias" no WhatsApp e receba as notícias no celular.

A operação do Distrito Federal foi deflagrada na manhã de quarta-feira (20), e as inúmeras vítimas estão distribuídas tanto no Brasil quanto no exterior. Segundo a polícia, o grupo criminoso movimentou a quantia de R$ 156 milhões ao longo de cinco anos e criou 40 empresas fictícias, além de utilizar mais de 800 contas bancárias suspeitas.

Osório José foi encontrado por volta das 17h15 em uma propriedade rural e encaminhado à Delegacia de Gurupi para prestar depoimento.

Investigação

De acordo com a Polícia Civil do DF, os suspeitos do golpe promoviam uma teoria conspiratória conhecida como “Nesara Gesara” e faziam promessas de lucros astronômicos, chegando a mencionar valores da ordem de “octilhões” de reais.

O grupo criminoso conta com cerca de 200 membros, incluindo dezenas de pastores. Dentro das igrejas, os fiéis eram incentivados a investir suas economias em operações financeiras fictícias ou projetos de cunho humanitário inexistentes. Os golpistas prometiam retornos imediatos e lucratividade extraordinária, iludindo os fiéis acreditando que estavam sendo “abençoados por Deus com grandes quantias”.

Sobre do pastor

Osório é acusado de aplicar golpes em fiéis de Goianésia, no centro de Goiás, e em pessoas de diversos estados do Brasil em 2018. Na época, ele e outro pastor alegavam que haviam conquistado um título de R$ 1 bilhão, mas necessitavam reunir fundos para efetuar o resgate.

Em 2018, ele chegou a ser detido, mas respondia ao processo em liberdade, e a sentença ainda não havia sido proferida pela Justiça. Após ser libertado da prisão, Osório se mudou para São Paulo.

O que diz a defesa

A defesa do pastor, em comunicado, informou que ainda não teve acesso aos autos e que precisa examinar os fundamentos da prisão antes de solicitar a revogação. Caso a revogação seja negada, eles planejam impetrar um habeas corpus.

>> Participe da comunidade do #SouMaisNoticias no WhatsApp.