Menino de 10 anos é baleado na cabeça pelo amigo adolescente momentos antes de irem para igreja

Ocorrência foi em Palmas e vítima foi encontrada sem roupas. Ele foi foi socorrido e levado para o HGP. Pai do autor dos disparos, um adolescente de 14 anos foi preso por posse irregular de arma de fogo.

Compartilhe:

Um menino de 10 anos que foi atingida na cabeça por um disparo de arma de fogo na região norte de Palmas. O caso foi registrado na noite de segunda-feira (110, na Arno 42 (405 Norte). Segundo informações da Polícia Civil, um adolescente de 14 anos seria o autor do disparo.

>> Siga o canal do "Sou Mais Notícias" no WhatsApp e receba as notícias no celular.

O Corpo de Bombeiros foi acionado e encontrou o minino desacordado e sem roupas no chão de um banheiro. Ele foi socorrido e conduzido em estado grave para o Hospital Geral de Palmas (HGP).

O disparo aconteceu quando os dois estavam sozinhos na residência. De acordo com a Polícia Civil, o menino de 10 anos havia ido à casa do adolescente para irem juntos à igreja.

A Polícia Militar relatou que, após efetuar o disparo, o adolescente fugiu do local. Testemunhas informaram que, no momento do disparo, ambos estavam em um salão de beleza. O suspeito fugiu com a arma de fogo, que não foi localizada até o encerramento do registro da ocorrência.

A Polícia Civil esclareceu que a mãe e o advogado da família conduziram os policiais militares até a casa de uma tia do adolescente, onde o apresentaram às autoridades policiais. O adolescente foi encontrado junto com o responsável, sendo posteriormente levados à Delegacia da Polícia Civil.

Segundo a Polícia Civil, o pai do adolescente foi autuado e preso por posse irregular de arma de fogo em casa, além de omissão na cautela da arma, permitindo acesso ao menor de 18 anos. O responsável foi encaminhado para a Unidade Penal de Palmas, enquanto o adolescente foi apreendido e levado ao Núcleo de Atendimento Integrado (NAI) para ser apresentado ao Juizado da Infância e Juventude.

O desdobramento do caso será objeto de investigação pela Delegacia Especializada da Criança e do Adolescente (DECA) de Palmas.

>> Participe da comunidade do #SouMaisNoticias no WhatsApp.