Maior contrabandista de armas da América Latina é preso na Argentina

A prisão foi feita pela Interpol e Diego Dirísio foi capturado junto com sua esposa, Julieta Nardi Aranda, que também era fugitiva da Justiça paraguaia.

Compartilhe:

O contrabandista Diego Hernan Dirísio foi detido na tarde desta sexta-feira (2) em Buenos Aires, na Argentina, sendo considerado o principal traficante de armas da América Latina. A prisão do criminoso e sua esposa, Julieta Nardi Aranda, que também estava foragida da Justiça paraguaia, ocorreu em decorrência de um mandado de prisão preventiva expedido pela Vara Criminal de Medicilândia, no Estado do Pará, em virtude da prática criminosa de tráfico de drogas.

>> Siga o canal do "Sou Mais Notícias" no WhatsApp e receba as notícias no celular.

O casal estava em fuga desde o final de 2023, liderando um esquema de tráfico internacional de armas com base no Paraguai, embora Diego seja cidadão argentino. A detenção foi efetuada pela Interpol e comunicada ao superintendente da Polícia Federal (PF) na Bahia, delegado Flávio Albergaria, responsável pela investigação que desmantelou o esquema de tráfico internacional de armas que abastecia facções criminosas no Brasil.

A Interpol providenciará mais informações sobre a prisão à PF baiana, e a Suprema Corte no Paraguai também está sendo comunicada. A detenção resultou de uma denúncia anônima apresentada à Divisão de Denúncia de Crimes Federais.

Maior contrabandista de armas da América Latina é preso na Argentina
Foto: Divulgação

Diego Dirísio é o principal alvo de uma operação que investiga um grupo suspeito de fornecer 43 mil armas para as maiores facções do país, movimentando R$ 1,2 bilhão. Ele é proprietário da empresa IAS, sediada no Paraguai, pela qual realizava a venda de armas, coordenando todas as atividades da empresa e negociando diretamente as transações de venda e revenda.

A PF destaca que a maior dificuldade inicial da operação foi comprovar que as armas deveriam ser raspadas e destinadas ao crime organizado. Diego Dirísio, cidadão argentino, é considerado pela Polícia Federal como o maior contrabandista de armas da América do Sul.

Mulher do maior contrabandista de armas da América Latina
Foto: Divulgação

A investigação, iniciada em 2020, revelou que ele comprava armas de diversos fabricantes europeus e, por meio de um esquema envolvendo doleiros e empresas de fachada no Paraguai e nos Estados Unidos, revendia os arsenais para as maiores facções brasileiras, principalmente no Rio de Janeiro e São Paulo. A empresa IAS, de Dirísio, importou milhares de pistolas, fuzis, rifles, metralhadoras e munições. A investigação contabilizou 67 apreensões, totalizando 659 armas, em diversos estados brasileiros.

O empresário argentino adquiriu armas da Croácia, Turquia, República Tcheca e Eslovênia, importando, entre novembro de 2019 e maio de 2022, 7.720 pistolas de um fabricante croata. A investigação também revela a compra e venda de 2.056 fuzis produzidos na República Tcheca, além de mais de cinco mil rifles, pistolas e revólveres de fabricantes turcos. Mais de 1.200 pistolas foram importadas de uma fábrica eslovena, totalizando 16.669 armas.

O pedido de extradição de Dirísio e sua esposa visa garantir que respondam presos ao processo criminal no Paraguai.

>> Participe da comunidade do #SouMaisNoticias no WhatsApp

*Com informações do G1