Mãe e suas três filhas são assassinadas dentro de casa no MT; suspeito foi preso e confessou o crime

Segundo a polícia, três das quatro vítimas foram degoladas e sofreram abuso sexual. Suspeito estava foragido por um crime sexual em Lucas do Rio Verde (MT) e por latrocínio em Mineiros (GO).

Compartilhe:

A Polícia Civil de Mato Grosso investiga uma chacina brutal que resultou na morte de uma mãe e suas três filhas na residência da família, no Bairro Florais da Mata, em Sorriso, a 420 km de Cuiabá. O crime ocorreu entre a noite de sexta-feira (24) e a madrugada de sábado (25), mas só foi descoberto pela polícia nesta segunda-feira (27).

>> Siga o canal do "Sou Mais Notícias" no WhatsApp e receba as notícias no celular.

As vítimas foram identificadas como:

  • Cleci Calvi Cardoso (45 anos),
  • Miliane Calvi Cardoso (19 anos),
  • Manuela Calvi Cardoso (13 anos)
  • Melissa Calvi Cardoso (10 anos).

O pai, que é caminhoneiro, estava fora da cidade a trabalho quando o crime ocorreu e retornou na noite de segunda-feira.

O advogado da família, Conrado Pavelski Neto, relatou que todos estão profundamente abalados e estão recebendo tratamento psicológico para lidar com a amargura e tristeza decorrentes da tragédia.

Cleci, a mãe, era proprietária de uma empresa de prestação de crédito, enquanto a filha mais velha, Miliane, cursava agronomia em uma faculdade local. As filhas mais novas, Manuela e Melissa, mantinham um canal no YouTube onde compartilhavam experiências sobre o amor entre irmãs.

Cleci Calvi Cardoso – Foto: Divulgação

Suspeito preso

O principal suspeito do crime, Gilberto Rodrigues dos Anjos, de 32 anos, foi preso. Ele atuava como funcionário em uma obra próxima à residência das vítimas. As investigações revelaram que Gilberto estava foragido por um crime sexual em Lucas do Rio Verde (MT) e por latrocínio em Mineiros (GO).

A identificação de Gilberto como suspeito ocorreu após a polícia encontrar marcas de seu chinelo na casa, coincidindo com as impressões no piso manchado de sangue. Durante o interrogatório, ele confessou o crime.

A investigação aponta que três das quatro vítimas foram degoladas e sofreram abuso sexual. A Polícia Militar foi acionada pelos vizinhos após perceberem a ausência da família durante o final de semana. Segundo o sargento Thalmir Ferreira, porta-voz do Corpo de Bombeiros, a mãe e a filha mais velha foram encontradas mortas no corredor da casa, enquanto as outras duas filhas foram encontradas em um dos quartos.

Foto: Divulgação

O suspeito afirmou que inicialmente pretendia roubar, mas ao ser confrontado pela mãe das meninas, resultou em uma luta corporal onde a mulher foi atacada com uma faca. A filha mais velha tentou socorrer a mãe e também foi atacada. Posteriormente, ele confessou ter assassinado as outras duas vítimas, ambas menores de idade.

Gilberto relatou que deixou a casa pela mesma janela por onde entrou e retornou à obra, onde se desfez das roupas ensanguentadas, guardando-as em um contêiner. Ele foi transferido para a Penitenciária Dr. Osvaldo Florentino Leite Ferreira, em Sinop.

A Polícia Civil continuará investigando para determinar se outras pessoas estão envolvidas no crime.

Suspeito matou jornalista enforcado em GO após vítima tentar se relacionar com ele

O suspeito da chacina em Sorriso (MT), Gilberto Rodrigues dos Anjos, preso recentemente, também era considerado foragido devido a um crime anterior ocorrido em Mineiros, Goiás, em 2013. Segundo o Ministério Público, Gilberto é acusado de matar o jornalista Osni Mendes, com quem se envolveu em uma briga após a vítima tentar um relacionamento amoroso com ele.

O inquérito revela que Gilberto conheceu Osni em um bar, e após aceitar uma carona, Osni tentou forçar um beijo, resultando em uma luta corporal onde Gilberto alega ter reagido em legítima defesa, nocauteando e enforcando o jornalista com sua própria camisa. Gilberto fugiu com o carro da vítima, escondeu-se, confessou o crime ao ser detido pela polícia cinco dias depois e ficou preso preventivamente.

Após mais de 160 dias, Gilberto conseguiu relaxar a prisão em junho de 2014 devido ao excesso de prazo na conclusão do inquérito. Posteriormente, ao ser intimado novamente para depor, ele não foi localizado, resultando em um novo mandado de prisão preventiva expedido em janeiro de 2018, que nunca foi cumprido.