Jovem filmada ao ser baleada pelo ex em salão de beleza ficou sem movimento nas pernas

Crime aconteceu em Goiatuba (GO) e ex-namorado foi preso após o crime. Relatório médico descreveu que Dyullya Rodrigues teve uma 'paralisia bilateral'.

Compartilhe:

Dyullya Rodrigues Nunes, estudante de biomedicina de 19 anos, ficou paralisada nas pernas após ser baleada pelo ex-namorado, Gleniton Lopes Ribeiro, de 35 anos, segundo sua família. Câmeras de segurança capturaram o momento em que o homem chegou ao salão de beleza em Goiatuba, no sul de Goiás, e atirou nela.

>> Siga o canal do "Sou Mais Notícias" no WhatsApp e receba as notícias no celular.

“A informação que temos no momento é que ela não poderá mover as pernas, sem poder ter uma vida normal como antes, devido a essa violência que ela sofreu,” contou Amiltomério Alcântara, padrasto da jovem.

O ex-namorado foi preso após o crime e teve a prisão mantida após audiência de custódia. Um relatório médico enviado à família descreveu que Dyullya teve uma “paralisia bilateral”.

Câmera registra momento em que homem atira contra a ex em salão de beleza em Goiás
Foto: Reprodução

“Os médicos fizeram o que podiam e uma junta médica concluiu que não adianta remover o projétil que perfurou a coluna dela, pois está muito próximo à medula,” completou o padrasto.

Segundo o padrasto, Dyullya deve receber alta nos próximos dias para iniciar o tratamento de reabilitação.

Fuga e prisão

A Polícia Civil informou que as câmeras de segurança registraram Gleniton Lopes fugindo com um veículo. Policiais encontraram o veículo abandonado e, através de outras câmeras, verificaram que o investigado o abandonou e entrou no carro de outra pessoa para fugir.

Gleniton Lopes foi localizado na casa de um parente no final da tarde de terça-feira. Com ele, estava a arma usada no crime e munições, de acordo com a polícia.

Homem suspeito de atirar contra a ex em salão de beleza em Goiás em fuga.
Foto: Reprodução

Na delegacia, acompanhado de uma advogada, o suspeito permaneceu em silêncio durante o interrogatório, segundo a polícia.

À Polícia Militar, uma testemunha relatou que Dyullya havia dito que estava sendo ameaçada pelo suspeito e que, no dia anterior ao crime, ele a agrediu com tapas e empurrões.