Jovem é morto durante abordagem da PM após reagir à prisão do irmão

Caso aconteceu em Barrolândia, na região central do Tocantins. A Polícia Militar disse que durante a abordagem o jovem de 25 anos tentou tomar a arma de um dos policiais.

Compartilhe

Um jovem de 25 anos foi morto neste fim de semana durante uma abordagem da Polícia Militar em Barrolândia, na região central do estado. A PM afirmou que o caso aconteceu no momento em que uma equipe tentava cumprir um mandado de prisão contra um suspeito, mas o irmão dele, de 25 anos, teria tentado tomar a arma de um dos militares.

Ocorrência foi registrada na tarde do último sábado (19), A PM afirmou ainda que o suspeito que estava sendo procurado tem 27 anos e seria envolvido com tráfico de drogas e teria passado a agredir física e verbalmente os policiais junto com quatro parentes que estavam no local.

A PM disse que durante a abordagem o jovem de 25 anos tentou tomar a arma de um dos policiais, que ainda teria feito dois disparos de advertência para tentar afastá-lo. O rapaz teria continuado as agressões e acabou sendo atingido por um terceiro disparo no tórax.

Ele foi socorrido pelos próprios policiais e levado para o hospital municipal de Barrolândia, mas não resistiu ao ferimento. O suspeito de 27 anos foi levado para a delegacia e teve o mandado de prisão cumprido.

A Polícia Militar informou que o policiais foram submetidos ao exame de corpo de delito no IML de Paraíso do Tocantins para registrar as agressões sofridas.

“O comando do 8º Batalhão da Polícia Militar está tomando todas as providências para apuração completa dos fatos. Ressalta-se que o agressor que veio a óbito cumpria pena pelo crime de furto, tendo saído recentemente de estabelecimento prisional”, disse a PM em nota.

A PM lembrou uma ocorrência registrada em 2016, onde um sargento da PM foi morto após um suspeito lhe tomar a arma e afirmou que a população não deve reagir a uma abordagem.

“A Polícia Militar recomenda que em todas as ações policiais a população obedeça às determinações e hajam com passividade, assim como orienta, capacita e fiscaliza seus integrantes para que hajam em todas as situações dentro dos limites legais e em defesa da paz social.”