Influencer evangélico é preso em investigação sobre crimes sexuais em SP

Segundo a polícia, Victor Bonato é acusado de estupro contra pelos menos três jovens e usou as redes sociais para pedir perdão às vítimas por ter cometido o que ele chama de "pecado da imoralidade".

Compartilhe:

O influencer evangélico Victor de Paula Gonçalves, conhecido como Victor Bonato, foi preso pela Polícia Civil sob acusação de crimes sexuais contra pelo menos três mulheres em Barueri, na Grande São Paulo. Ele é co-fundador do grupo evangélico Movimento Galpão, que se concentra em jovens de classe média alta da região de Alphaville, em Barueri.

>> Siga o canal do "Sou Mais Notícias" no WhatsApp e receba as notícias no celular.

Com uma grande quantidade de seguidores no Instagram, Victor Bonato era conhecido por suas pregações religiosas online e pelos cultos transmitidos nas redes sociais, direcionados principalmente aos jovens.

Sua prisão foi ordenada pelo juiz Fabio Calheiros do Nascimento, da 2ª Vara Criminal de Barueri, no dia 20 de setembro. Ele foi localizado e preso durante um evento em Cesário Lange, interior do estado.

Bonato foi levado para a Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) de Barueri, onde o caso está sendo investigado sob sigilo.

Foto: Divulgação
Confissão pelas redes sociais

O influencer fez uma confissão nas redes sociais um dia antes de sua prisão, pedindo perdão às mulheres que ele “falhou, enganou e defraudou” e admitindo ter cometido erros de imoralidade e iniquidade nos últimos meses. Ele também expressou remorso por ter prejudicado pessoas e o ministério Galpão.

O grupo Galpão, ao qual Victor Bonato estava associado, emitiu um comunicado afirmando que ele não fazia mais parte do movimento devido a “alguns acontecimentos que ferem diretamente o que o Galpão acredita e segue, ferem a palavra e estão em desacordo com o que Jesus nos ensina”. O grupo anunciou o fechamento temporário do espaço de encontros religiosos para reforma, em decorrência da investigação em curso e dos fatos divulgados.

>> Participe da comunidade do #SouMaisNoticias no WhatsApp.