Governo planeja linhas de crédito para estimular chegada da ‘TV 3.0’; entenda

Nova tecnologia começará ser implantada no Brasil em 2025 e o modelo ainda não está definido. TV 3.0 trará melhorias de som e imagem, além de maior interatividade com o espectador.

Compartilhe:

O Ministro das Comunicações, Juscelino Filho, anunciou nesta quarta-feira (2) que o governo está considerando a criação de linhas de crédito para que emissoras invistam na implementação da nova tecnologia de transmissão, conhecida como TV 3.0.

>> Siga o canal do "Sou Mais Notícias" no WhatsApp e receba as notícias no celular.

“Estamos em diálogo com bancos de fomento do governo para estudar essa possibilidade”, afirmou o ministro.

Ele explicou que essa medida é discutida devido à queda na receita das emissoras, provocada pela concorrência com plataformas de streaming e redes sociais.

“Estamos defendendo essa medida para incentivar o setor de radiodifusão a adotar mais rapidamente a nova geração da televisão aberta brasileira, o que demanda um grande investimento. Sabemos que o setor de radiodifusão foi fortemente impactado pela ascensão das mídias digitais e redes sociais, que tiraram uma parte significativa de suas receitas”, acrescentou.

O que é a ‘TV 3.0’?

A TV 3.0 promete proporcionar maior interatividade ao público, permitindo o uso de aplicativos para canais de TV aberta. Com isso, os canais poderão oferecer conteúdo sob demanda através da TV aberta, além de uma programação mais personalizada.

Governo planeja linhas de crédito para estimular chegada da 'TV 3.0'; entenda
Foto: Divulgação

Embora algumas funcionalidades da nova geração de TV aberta possam ser acessadas pela internet, a conexão não é um requisito para receber o sinal da ‘TV 3.0’.

Além disso, essa tecnologia oferecerá uma qualidade de imagem e som superiores, incluindo imagem em 4K e som imersivo, que não são possíveis com a TV digital.

Quando a ‘TV 3.0’ será implementada?

O governo planeja iniciar a implementação da TV 3.0 em 2025. O Ministério das Comunicações tem como meta definir a tecnologia a ser utilizada até 31 de dezembro de 2024.

Prevê-se que, no início de 2025, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva assine um decreto estabelecendo a tecnologia a ser adotada, com base nas recomendações do ministério, bem como o cronograma de implantação para que as emissoras possam se adaptar aos novos requisitos.

“A partir daí, toda a cadeia industrial do setor começará a se ajustar e a produzir os equipamentos necessários, incluindo transmissores, conversores e novos televisores”, explicou o ministro.

Japoneses e americanos estão competindo para fornecer suas soluções de TV 3.0 ao Brasil. O Ministério das Comunicações recebeu 32 contribuições em resposta a uma chamada internacional.

Após testes de campo, o governo selecionou três modelos: japonês, europeu e americano. Embora tenha optado por seguir com os modelos japonês e americano, o governo não descarta adotar uma implementação híbrida com tecnologia europeia, especialmente para a transmissão de TV em dispositivos móveis, como celulares e tablets.

Quais aparelhos de TV poderão receber o sinal?

Atualmente, não há modelos de TV disponíveis no mercado brasileiro que possam receber o sinal da ‘TV 3.0’. Portanto, inicialmente será necessário o uso de conversores.

“Como os televisores têm uma vida útil a ser cumprida, especialmente devido a eventos esportivos importantes nos últimos anos que estimularam a troca de aparelhos, entendemos que, no início, será necessário ter receptores para fazer a conversão desses sinais”, explicou o secretário.

A implementação será realizada em duas fases:

  1. TVs com receptores para fazer a conversão;
  2. À medida que a implantação avança, novos modelos de TV poderão receber o sinal sem a necessidade de conversores.

Ainda não foi decidido se os conversores serão distribuídos, mas há discussões sobre a possibilidade de fornecimento gratuito para famílias de baixa renda, semelhante ao que foi feito na transição para o sinal digital.