Funcionário é preso suspeito de estuprar colega de trabalho desacordada em carro no interior do Tocantins

Caso foi registrado em Marianópolis. Empresa onde os dois trabalham presta serviço para a Energisa, concessionária de energia do Tocantins. Polícia Civil investiga o caso.

Compartilhe:

Um homem de 38 anos foi detido em Marianópolis do Tocantins, na região oeste do estado. Ele é suspeito de abusar sexualmente de uma colega de trabalho durante uma viagem de trabalho. De acordo com a Polícia Civil, a vítima de 34 anos estava inconsciente devido ao uso de medicamentos e álcool.

>> Siga o canal do "Sou Mais Notícias" no WhatsApp e receba as notícias no celular.

Ambos eram empregados de uma empresa que presta serviços para a Energisa, a concessionária de energia elétrica que atua no Tocantins.

O crime ocorreu durante a madrugada da quarta-feira (13). A mulher relatou à Polícia Militar que havia saído para consumir bebidas alcoólicas com seus colegas de trabalho, mas em certo momento começou a se sentir mal.

A vítima afirmou que perdeu a consciência e, ao recobrá-la, percebeu que estava dentro de um carro, sem roupas, enquanto um dos colegas mantinha relações sexuais não consensuais com ela. A mulher conseguiu fugir e chamou a polícia.

As autoridades policiais compareceram ao local, e os outros colegas de trabalho informaram que o suspeito havia fugido em direção a Divinópolis do Tocantins. No entanto, minutos depois, ele retornou e foi detido e conduzido à Delegacia de Paraíso do Tocantins, onde foi autuado em flagrante por estupro de vulnerável.

O caso está sendo investigado sob sigilo pela 6ª Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher e Vulneráveis (6ª DEAMV), de Paraíso. Após a prisão, o indivíduo foi encaminhado à unidade prisional, onde permanece à disposição da Justiça. A vítima foi levada ao Núcleo de Medicina Legal de Paraíso e ao hospital para exames necessários.

A Energisa informou que o caso envolve funcionários de uma empresa terceirizada que presta serviços para ela e que é investigado pela Polícia Civil. A empresa afirmou que não tolera nenhum tipo de agressão e tomará as medidas administrativas cabíveis, além de colaborar com a apuração conduzida pelas autoridades competentes.