Ex-STF: Ricardo Lewandowski será o novo ministro da Justiça, anuncia Lula

Jurista se aposentou como ministro do STF em abril de 2023, perto de completar 75 anos. Lewandowski presidiu o julgamento do impeachment de Dilma e está no tribunal permanente do Mercosul.

Compartilhe:

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) anunciou nesta quinta-feira (11) que o ministro aposentado do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski assumirá a chefia do Ministério da Justiça e Segurança Pública.

>> Siga o canal do "Sou Mais Notícias" no WhatsApp e receba as notícias no celular.

Lewandowski sucederá Flávio Dino, nomeado por Lula e aprovado pelo Senado como novo ministro do STF, com posse prevista para fevereiro. O anúncio ocorreu no Palácio do Planalto, com a presença de Lula, Lewandowski, Flávio Dino e da primeira-dama, Janja da Silva. A nomeação será publicada em 19 de janeiro, e a posse está marcada para 1º de fevereiro.

Lula destacou como extraordinária a atuação de Lewandowski como ministro da Suprema Corte e ressaltou que a nomeação fortalecerá o Ministério da Justiça. O presidente garantiu autonomia para Lewandowski formar sua equipe, mas planeja discutir eventuais alterações em fevereiro.

Ao sair do púlpito, Lula comentou que Janja espera maior representação feminina na gestão do ministério, e Lewandowski concordou, afirmando “certamente”.

A escolha de Lewandowski recebeu elogios de autoridades, como o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e o ministro do STF Dias Toffoli, que a considerou “muito sábia e feliz”.

A especulação sobre a nomeação de Lewandowski ganhou força após reuniões entre Lula, Dino e o ministro aposentado. O novo ministro já havia aceitado o convite e trabalhava na formação de sua equipe.

Lewandowski, aposentado em abril de 2023, foi ministro do STF desde 2006. Atualmente, integra o Tribunal Permanente de Revisão do Mercosul. Sua indicação para o STF foi sucedida por Cristiano Zanin, indicado por Lula.

Com vasta experiência jurídica, Lewandowski presidiu o STF de 2014 a 2016, além de ter atuado como presidente do Tribunal Superior Eleitoral e coordenador do Novo Observatório da Democracia da Advocacia-Geral da União após sua aposentadoria.

>> Participe da comunidade do #SouMaisNoticias no WhatsApp.