Égua morre após passar mal no meio da rua após cavalgada no sul do Tocantins e caso é investigado pelo MP

Segundo a Adapec, a morte foi registrada após o horário do evento e fora do percurso do evento realizado em Gurupi.

Compartilhe:

Uma égua que fazia parte de uma das comitivas participantes de uma cavalgada morreu após o evento. Segundo a Agência de Defesa Agropecuária (Adapec), o óbito foi registrado após o término da cavalgada de abertura da 49ª Expo Gurupi, no sul do estado e fora do percurso designado, sendo que caberá à Justiça a investigação do caso. O Ministério Público apura o caso.

>> Siga o canal do "Sou Mais Notícias" no WhatsApp e receba as notícias no celular.

A situação ocorreu na avenida São Paulo, após as 19h de domingo (28). De acordo com a Polícia Militar, uma multidão tentava ajudar a égua no momento em que ela desabou. O homem que estava montando o animal informou às autoridades que a égua pertencia a seu pai, que reside em Figueirópolis, a aproximadamente 50 km de distância.

Vídeo:

Ele explicou ainda que transportou o animal em uma carreta da comitiva de Figueirópolis até Gurupi para participar da tradicional cavalgada. Esse evento precede a realização da exposição agropecuária da cidade, que contará com apresentações de artistas regionais e nacionais, além de uma programação voltada ao agronegócio.

Segundo o condutor da égua, o animal começou a apresentar tontura, caiu e começou a se debater. Pessoas presentes no local solicitaram ajuda a uma médica veterinária, que administrou soro fisiológico na égua, mas infelizmente não foi possível salvar sua vida.

A Prefeitura de Gurupi afirmou que, em nenhum momento, qualquer órgão fiscalizador testemunhou ou identificou situações de maus-tratos, tampouco recebeu denúncias que demandassem intervenção dos fiscais durante o trajeto da cavalgada. A Secretaria Municipal do Meio Ambiente providenciou a remoção do animal falecido da via pública.

MP no caso

Após a repercussão da morte do animal, o Ministério Público informou que a 7ª Promotoria de Justiça de Gurupi expediu ofícios a diversos órgãos municipais e estaduais solicitando informações sobre as atividades de fiscalização durante o evento.

Os ofícios foram encaminhados à Agência de Defesa Agropecuária do Estado do Tocantins (Adapec), Polícia Militar, Companhia de Polícia Ambiental (Cipama), à Diretoria de Meio Ambiente do Município de Gurupi e à Agência Municipal de Trânsito e Transporte.

À Delegacia Regional da Polícia Civil e à Polícia Militar foram requisitadas informações sobre registros de Boletim de Ocorrência referentes à morte do equino no centro da cidade.

A promotora de Justiça Maria Juliana Naves ressaltou que, no último dia 09, já havia iniciado um Procedimento Administrativo para monitorar a realização da cavalgada de abertura da 49ª Exposição Agropecuária de Gurupi, com o intuito de evitar maus-tratos aos animais.

Foram enviadas recomendações aos órgãos competentes e firmado um Termo de Cooperação entre o MPTO, a Prefeitura e o Sindicato Rural de Gurupi, além de outros órgãos estaduais e municipais, para fortalecer as ações de fiscalização e as estratégias de proteção dos animais e do meio ambiente durante o evento.