Dólares, euros e arsenal com 70 armas são encontrados na casa de investigado por atos golpistas em Palmas

Oito mandados de busca foram cumpridos no Tocantins pela PF. Investigação no estado apura os organizadores e financiadores de ato que fechou a ponte entre Palmas e Luzimangues, em 2022.

Compartilhe:

Durante a execução dos mandados de busca da operação Lesa Pátria, na manhã desta quinta-feira (29), a Polícia Federal apreendeu aproximadamente 110 mil dólares e 26 mil euros junto a um dos alvos em Palmas, além de 70 armas. Os mandados estão relacionados à investigação dos financiadores do ato golpista que resultou no bloqueio da ponte da Integração entre Palmas e Luzimangues, após o desfecho das eleições presidenciais de 2022.

>> Siga o canal do "Sou Mais Notícias" no WhatsApp e receba as notícias no celular.

A decisão do ministro Alexandre de Moraes, que autorizou as buscas, destaca que: “a investigação reúne indícios da prática de crimes cometidos no contexto das manifestações antidemocráticas ocorridas em Palmas, após a proclamação do resultado das eleições presidenciais de 2022 pelo Tribunal Superior Eleitoral”, conforme trecho da decisão.

A decisão indica que aproximadamente 50 pessoas ligadas aos eventos foram identificadas, com destaque para aquelas que desempenharam um “papel de protagonismo” na organização das manifestações. Entre os investigados, estão líderes religiosos e até mesmo dois coronéis da Polícia Militar do Tocantins.

O tenente-coronel da PM, Clauber de Abreu Martins, é um dos investigados na operação e relatou à TV Anhanguera o conteúdo de seu depoimento:

“Estamos aqui para esclarecer o movimento que ocorreu no QG. Basicamente, estão investigando os financiadores e os agitadores que estiveram em Brasília. Viemos esclarecer nossa participação real, de cada um de nós, nisso. Em relação a mim, tem uma circunstância agravante, mas deixo para a Polícia Federal esclarecer depois. No entanto, isso não significa que minha participação seja efetivamente relacionada ao evento de 8 de janeiro, onde a gravidade foi maior. Graças a Deus, tenho a consciência tranquila”, explicou o militar.

Tenente-coronel golpista da PM do Tocantins
Clauber de Abreu Martins – Foto: Reprodução/TV Anhanguera

Além dele, o outro investigado Clauber de Abreu Martins, autointitulado Valtinho Patriota, também esteve na sede da PF na quinta-feira e falou sobre sua participação nas manifestações.

“Participei de manifestações pacíficas em Palmas, no QG e na ponte. No entanto, não nos envolvemos em atos de vandalismo, não participamos do evento de 8 de janeiro em Brasília. Estamos aqui para esclarecer qualquer dúvida que a polícia possa ter”, afirmou.

Golpista Valtinho Patriota
Clauber de Abreu Martins

O palestrante Thiago Marasca Moura, também investigado, relatou que a polícia apreendeu celulares, notebooks e documentos seus e de sua esposa em sua residência. Ele prestou depoimento por aproximadamente quatro horas e negou fazer parte do grupo de financiadores do evento.

“No dia 8 de janeiro, já havia deixado as manifestações, não estava em Brasília. Estou sendo investigado por participar das manifestações aqui na Ponte Fernando Henrique Cardoso. Foram protestos pacíficos, na minha visão democráticos, expressando a opinião do povo. Estive lá como manifestante, embora muitos me vejam como líder, mas não havia uma liderança definida”, explicou.

Segundo o ministro Alexandre de Moraes, os eventos extrapolaram os limites do direito de reunião e manifestação.

“Nesse caso, observa-se o abuso reiterado do direito de reunião, direcionado de maneira ilegal e criminosa para promover a desobediência e a falta de respeito ao resultado do pleito eleitoral para presidente e vice-presidente da República”, destaca outro trecho da decisão.

Um dos mandados de busca em Palmas foi cumprido na residência de Frederico Carvalho, em um condomínio de alto padrão às margens do lago da capital. No local, a PF encontrou um grande estoque de armas – todas legalmente registradas -, além de dólares e euros.

Arsenal encontrado em residência de investigado

A decisão também determinou a quebra do sigilo de dados telefônicos, o bloqueio das redes sociais, a suspensão dos portes de arma e dos passaportes dos investigados nesta fase da operação.

Dólares, euros e arsenal com 70 armas são encontrados na casa de investigado por atos golpistas em Palmas
Foto: Divulgação/PF

>> Participe da comunidade do #SouMaisNoticias no WhatsApp