Corpos de pilotos de avião agrícola que caiu no interior do Tocantins são liberados pelo IML

Matheus Dias está sendo velado na casa da família e Mauro Júnior, que era natural de Anápolis (GO), foi levado para Goiás. Polícia disse que eles tiveram morte instantânea.

Compartilhe

Os corpos dos dois pilotos mortos após a queda de um avião agrícola na zona rural de Lagoa da Confusão foram liberados pelo Instituto Médico Legal (IML) durante a madrugada desta sexta-feira (12) . Matheus Dias Fernandes, de 25 anos, está sendo velado na casa da família na cidade desde a madrugada. Uma missa de corpo presente será realizada às 16h e o sepultamento está previsto para 17h no cemitério da cidade.

Mauro Júnior, de 27 anos, era natural de Anápolis (GO). Após a liberação pelo IML de Paraíso do Tocantins, o corpo dele foi encaminhado para a família em Goiás.

Ainda não há informações sobre as causas do acidente. O irmão de Mauro Júnior estava no local auxiliando os pilotos por terra e presenciou a queda. O avião caiu de bico e imagens feitas no local mostram que a aeronave foi partida ao meio.

O caso está sendo acompanhado pela 58ª Delegacia da Polícia Civil, que isolou o local da queda para perícia a ser realizada pelo Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (SERIPA).

Foto: Divulgação/SSP

Matheus era recém formado como piloto agrícola e aproveitava para aprender mais sobre voos com Mauro, que era mais experiente. O acidente provocou grande comoção na cidade.

A investigação

O Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (SERIPA 6), localizado em Brasília (DF) informou que investigadores foram acionados para realizar a ação inicial do acidente envolvendo a aeronave de matrícula PT-GRQ, nesta quinta-feira (11), em Lagoa da Confusão.

Na ação Inicial os investigadores identificam indícios, fotografam cenas, retiram partes da aeronave para análise, ouvem relatos de testemunhas e reúnem documentos. Não existe um tempo previsto para essa atividade ocorrer, dependendo sempre da complexidade da ocorrência.

Segundo o Seripa, o objetivo das investigações realizadas é prevenir que novos acidentes com características semelhantes ocorram. A conclusão das investigações terá o menor prazo possível, dependendo sempre da complexidade de cada ocorrência e, ainda, da necessidade de descobrir os fatores contribuintes.