Adolescente tem morte encefálica e órgãos ajudam a mudar vida de 5 pessoas

Equipes do Hospital Geral de Palmas foram autorizadas a fazer a primeira captação múltipla após família optar pela doação. Jovem estava internado em UTI da unidade.

Compartilhe:

Mesmo em meio ao luto, a família de um adolescente do Tocantins que teve morte encefálica decidiu autorizar a doação de seus órgãos. Graças a essa decisão, cinco pessoas terão a chance de uma nova vida.

>> Siga o canal do "Sou Mais Notícias" no WhatsApp e receba as notícias no celular.

A captação dos órgãos ocorreu no Hospital Geral de Palmas (HGP) na sexta-feira (17). Embora a causa da internação não tenha sido informada, o paciente estava na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e não resistiu.

Segundo a Secretaria de Estado da Saúde, os beneficiários que estavam na lista nacional de doadores de órgãos receberão fígado, rins e córneas. Esta foi a primeira captação múltipla de órgãos do ano.

Marcelo Pereira, pai do adolescente, compartilhou que a decisão de doar foi uma maneira de manter a memória do filho viva. “Quantas pessoas estão numa fila de espera sem ter motivos para sorrir e nós podemos proporcionar isso a elas”.

Apesar do luto, o pai encoraja outras famílias a optarem pela doação de órgãos. “Nós incentivamos que todos que puderem, doem órgãos, mantenham seu ente querido vivo”.

Protocolo de Doações

A decisão de doar os órgãos de um ente falecido é exclusivamente da família. Vinicius Gonçalves, enfermeiro da Comissão Intra-hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplantes (CIHDOTT) do HGP, explicou que se a família concorda com a doação, protocolos são seguidos após a confirmação da morte encefálica.

Para ser doador, conforme a SES, não é necessário deixar documentos expressando o desejo em vida. A autorização deve ser dada pela família.

“Nós organizamos o processo conforme o protocolo de morte encefálica e, se confirmado, oferecemos à família a opção de doação de órgãos. Nosso agradecimento à família pelo gesto que salvará outras vidas”, disse Gonçalves.

Transporte dos Órgãos

Devido ao curto prazo para a realização dos transplantes, o transporte do HGP até o Aeroporto de Palmas foi realizado pelo helicóptero do Centro Integrado de Operações Aéreas (Ciopaer).

Helicóptero da Segurança Pública do Tocantins fazendo transporte de órgãos.
Foto: Divulgação

“Conseguimos sair do hospital e colocar o órgão no avião em menos de cinco minutos. Evitamos trânsito e possíveis acidentes com viaturas em alta velocidade. É gratificante porque garantimos a preservação do órgão”, destacou o tenente-coronel Gustavo Bolentini, diretor do Ciopaer.

A captação de órgãos envolve profissionais da Central Estadual de Transplantes do Tocantins (CETTO), CIHDOTT, Organização de Procura de Órgãos (OPO), Banco de Olhos Público do Tocantins (BOTO) e recebe apoio da Secretaria de Segurança Pública (SSP).