Vídeo: Homem é morto após partir para cima de policial rodoviário federal com facão em MG

Agente da PRF foi atacado ao descer de viatura que foi estacionada por ele perto da delegacia da Polícia Civil em Manhuaçu.

Compartilhe:

Um homem de 57 anos foi morto a tiros após atacar um policial rodoviário federal com um facão durante a madrugada deste sábado (4). A ocorrência foi registrada perto da delegacia da Polícia Civil de Manhuaçu.

>> Siga o canal do "Sou Mais Notícias" no WhatsApp e receba as notícias no celular.

Segundo informações da Polícia Militar, o homem estacionou seu veículo próximo ao local e permaneceu no local como se estivesse observando algo. Nesse momento, dois agentes da PRF chegaram em uma viatura para registrar um acidente.

Uma câmera de segurança registrou o fato: Assista:

A PM informou que um dos agentes desceu da viatura, enquanto o outro permaneceu dentro do veículo estacionado. Quando o policial se dirigia à delegacia, foi surpreendido pelo homem, que empunhava um facão e correu em sua direção.

Conforme informações da PM, o policial rodoviário federal sacou sua arma e tentou persuadir o agressor a soltar o facão. No entanto, diante da recusa e da investida do agressor, o policial disparou. O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foi acionado e confirmou o óbito no local.

“Não há uma motivação clara para o ocorrido. Desconhecemos as razões que levaram o agressor a atacar a Polícia Rodoviária Federal”, explicou o tenente Fabiano de Souza, da PM.

A perícia da Polícia Civil foi solicitada e o facão foi recolhido para investigação. Além disso, a arma de fogo, as munições e o carregador do policial rodoviário federal foram apreendidos para análise. O policial foi detido e encaminhado às autoridades competentes.

A PRF, em nota, declarou que “no vídeo registrado, é evidente que o policial rodoviário federal tentou se distanciar do agressor, buscando evitar o confronto, porém foi perseguido pelo homem, armado, que representava uma ameaça à sua vida, não deixando outra alternativa senão agir em legítima defesa”.