Vaqueiro acusado de matar homem e jogar corpo em cisterna é condenado a 18 anos de prisão no interior do Tocantins

Crime aconteceu em 2014 na zona rural de Taipas do Tocantins. Réu foi condenado por homicídio qualificado e ocultação de cadáver.

Compartilhe

A Justiça condenou o vaqueiro Dioleno dos Santos a 18 anos de prisão pelo assassinato de Rainil Gomes de Castro. Conforme consta nos autos, a vítima foi morta com quatro tiros e depois teve o corpo jogado dentro de uma cisterna. O crime foi em março de 2014 na zona rural de Taipas do Tocantins, no sudeste do estado.

De acordo com as investigações, um adolescente teria participado do homicídio. O Ministério Público do Tocantins informou que Dioleno pagou R$ 1 mil ao menor para que ele ajudasse no crime.

O motivo do homicídio não foi informado, mas após o assassinato a casa de Rainil Gomes foi furtada e R$ 200 foram levados.

Além da morte, o réus foi condenado também por ocultação de cadáver. A acusação de homicídio foi considerada qualificada, por causa da recompensa em dinheiro prometida ao adolescente. A vítima levou dois tiros na cabeça e outros dois no tórax.

“Todo o crime foi desvendado porque o genitor do adolescente comunicou aos policiais que seu filho portava na cintura um revólver calibre 32. Em diligências, os PMs localizaram o adolescente e apreenderam em seu poder a mencionada arma de fogo, sendo o referido adolescente encaminhado à delegacia, onde, na presença de seu genitor, confessou que tinha matado um homem na região de Taipas do Tocantins, juntamente com o denunciado”, diz a denúncia do MP.