PM confirma morte das 4 pessoas em helicóptero que caiu em SP

Aeronave que tinha como destino Ilhabela foi localizada na manhã desta sexta em Paraibuna, após 12 dias de buscas. 'Todos estão mortos', disse coronel em coletiva de imprensa.

Compartilhe:

A Polícia Militar de São Paulo informou nesta sexta-feira (12) que não há sobreviventes do acidente envolvendo o helicóptero que estava desaparecido e foi localizado pela manhã na região de mata de Paraibuna (SP). O coronel Ronaldo Barreto de Oliveira, comandante da Aviação da Polícia Militar do estado, declarou: “Todos estão mortos.”

O helicóptero, que saiu da cidade de São Paulo com destino a Ilhabela, no Litoral Norte do estado, foi localizado pela PM por volta das 9h15. Após a identificação, um grupo que participava das buscas desceu de rapel até o local do acidente.

As quatro vítimas da queda da aeronave eram Luciana Rodzewics, de 45 anos, Letícia Ayumi Rodzewics Sakumoto, de 20 anos (filha de Luciana), Raphael Torres, 41 anos (amigo de Luciana e Letícia), e Cassiano Tete Teodoro, de 44 anos (piloto).

Foto: Divulgação

Segundo o comandante da PM, a Força Aérea Brasileira (FAB), por meio da Ceripa 4, será responsável pelos trabalhos de investigação. O helicóptero acidentado não possuía caixa preta ou qualquer tipo de localizador.

O Coronel Ronaldo Barreto de Oliveira explicou que a análise da inteligência da polícia civil, considerando o sinal de celular dos passageiros, possibilitou reduzir a área de busca de 5 mil quilômetros quadrados para um raio de 12 quilômetros.

PM confirma morte das 4 pessoas em helicóptero que caiu em SP
Foto: Divulgação/PMSP

“O que possibilitou diminuir essa área foi uma análise através da inteligência da polícia civil que eles poderiam estar naquele setor da estação de rádio-base de Paraibuna do km 54. Ontem até divulgaram uma imagem do helicóptero voando próximo ao 58/60. Isso veio a corroborar com o que nós já tínhamos, a região que a gente estava.”

O delegado Milton Clemente, do Departamento de Operações Policiais Estratégicas da Polícia Civil, destacou que a missão era inicialmente considerada quase impossível, mas após a obtenção de informações, tornou-se difícil.

“Havia uma escassez de informação, existia um georreferenciamento em relação a uma antena, mas a gente não tinha os pontos suficientes para delimitar uma área mais precisa de busca. Isso foi feito através de voos específicos onde foi delimitando o range (alcance) e aí conseguiu separar por quadrante. Foi a partir desse refino na área de busca”, explicou.

PM confirma morte das 4 pessoas em helicóptero que caiu em SP
Foto: Divulgação/PMSP

Ele ressaltou a importância de aeronaves de pequeno porte possuírem localizadores: “Se todas as aeronaves, inclusive os helicópteros de pequeno porte, pudessem ter um localizador, uma caixa preta, isso facilitaria muito.”

Paraibuna, município paulista do Vale do Paraíba, fica a 120 quilômetros de distância do Campo de Marte, em São Paulo, local onde o helicóptero havia decolado, e a aproximadamente 80 quilômetros de Ilhabela, seu destino final.

Após ser encontrado pela PM, o helicóptero H-60 Black Hawk, da Força Aérea Brasileira, se deslocou até o local com uma equipe especial de resgate, composta por nove pessoas capacitadas para descer de rapel e realizar a investigação no local do acidente.

O helicóptero, que desapareceu em São Paulo, mobilizou uma busca envolvendo a Força Aérea Brasileira, Polícia Militar, Polícia Civil e Corpo de Bombeiros de São Paulo. A aeronave partiu da capital paulista no último dia do ano passado com quatro ocupantes para passar o réveillon em Ilhabela, mas não chegou ao destino. O helicóptero não fez contato desde o dia 31 de dezembro.

Duas aeronaves da FAB cumpriram mais de 135 horas de voo ao longo dos 12 dias de buscas, que cobriram uma área total de cinco mil quilômetros quadrados. Aeronaves da Polícia Militar e Polícia Civil também participaram da operação de busca, concentrada na região da Serra do Mar, entre o Vale do Paraíba e o Litoral Norte.

Luciana e Letícia, moradoras da capital paulista, eram autônomas e aceitaram o convite do amigo Raphael para um passeio “bate-volta” em Ilhabela, na véspera do Ano Novo. As duas trabalhavam em setores diferentes: Letícia na estética, realizando pintura de unhas, e Luciana na área alimentícia, como vendedora.

A aeronave era um helicóptero H-60 Black Hawk da Força Aérea Brasileira. O acidente ocorreu em Paraibuna, cidade que fica na região do Vale do Paraíba, São Paulo, próximo ao local onde foi identificado o sinal de celular dos passageiros.

>> Participe da comunidade do #SouMaisNoticias no WhatsApp.