Operação mira grupo suspeito de ameaçar matar juiz, promotor e policiais do Tocantins

Ordens judiciais são cumpridas em três estado. Policiais apuraram sobre emissão de ordens por meio de mensagens conhecidas como “salves”, para que integrantes de facção executassem os planos determinados pela liderança.

Compartilhe:

Uma operação coordenada pela Força Integrada de Combate ao Crime Organizado no Tocantins (FICCO/TO) cumpre 23 mandados de prisão e 36 mandados de busca e apreensão contra um grupo suspeito de planejar ataques contra autoridades no estado. As ameaças eram dirigidas a um juiz, um promotor de justiça e membros das forças policiais militares e penais de Dianópolis, localizada no sudeste do estado.

>> Siga o canal do "Sou Mais Notícias" no WhatsApp e receba as notícias no celular.

Os mandados são executados na manhã desta sexta-feira (3) em Dianópolis, Palmas, Dueré, Cariri do Tocantins, Porto Alegre do Tocantins, Rio Verde (GO), Formosa (GO) e Imperatriz/MA. As ordens judiciais foram expedidas pela Vara Criminal de Dianópolis.

Operação mira grupo suspeito de ameaçar matar juiz, promotor e policiais do Tocantins
Foto: Divulgação

A investigação teve início em fevereiro de 2024. Durante o processo investigativo, os policiais descobriram que uma facção, com atuação em todo o território nacional, emitiu ordens através de mensagens conhecidas como “salves”, instruindo seus membros a executarem o plano e obedecerem às diretrizes da liderança.

Operação mira grupo suspeito de ameaçar matar juiz, promotor e policiais do Tocantins
Foto: Divulgação/Polícia Federal

A ação contou como apoio da FICCO/GO, FICCO/DF, FICCO/MA e GAECO/TO.

A operação recebeu o nome de “Comminatio Magistratus”, em alusão ao termo em latim que significa “Ameaça ao Poder Estatal”, devido ao fato de a organização criminosa ter elaborado um plano para atacar autoridades públicas.