Nove suspeitos de envolvimento com tráfico de drogas dentro de condomínios são presos em Palmas

Operação da Polícia Civil deu cumprimento a 19 mandados de busca e apreensão e cinco de prisão. Ações aconteceram nas Arses 131 e 132 e no Jardim Aureny III.

Compartilhe:

na manhã desta terça-feira (13), nove pessoas foram presas em Palmas durante uma operação da Polícia Civil contra o tráfico de drogas. Segundo a corporação, os suspeitos também têm ligação com organizações criminosas e atuavam dentro de condomínios residenciais.

A ação foi chamada de Broken Windows, que significa janelas quebradas. A polícia informou que foram cumpridos 19 mandados de busca e apreensão, além de cinco ordens de prisão. As ações aconteceram nas Arses 131 e 132 e no Jardim Aureny III.

Durante a operação foram encontradas armas de fogo, maconha, crack e cocaína. Quatro suspeitos foram presos em flagrante e outras duas pessoas ainda estão sendo procuradas. Os nomes não foram divulgados .

Foto: Divulgação/SSPTO

A Secretaria de Segurança Pública (SSP) afirmou que o objetivo da operação faz parte de um esforço para “restabelecer a ordem e a paz na cidade”, tirando de circulação pessoas associadas ao tráfico de drogas.

Em 2023, a capital teve 83 homicídios até esta segunda-feira (12). O aumento é de mais de 220% em comparação com o mesmo período do ano passado. Para as forças de segurança, esses números estão diretamente ligados ao tráfico de drogas e organizações criminosas.

Segundo a SSP, a Polícia Civil identificou traficantes que exercem posição de domínio em condomínios e conjuntos habitacionais, onde o tráfico de drogas tem acontecido a portas abertas. Os criminosos também faziam uso de arma fogo e ameaçavam a comunidade local.

“Os traficantes fazem uma espécie de ‘poder paralelo’ ao do Estado nessas áreas. Eles têm tentado, inclusive, criar um ‘tribunal do crime’, em que eles mesmos decidem penalidades contra moradores para caso descumpram as ordens deles”, explicou o delegado Thyago Bustorff.

Os presos serão ouvidos pela Polícia Civil e encaminhados à Unidade Penal Regional de Palmas, onde permanecerão à disposição da Justiça.

O nome da operação faz referência à uma teoria desenvolvida nos Estados Unidos há cerca de 40 anos, segundo a qual uma janela quebrada em um prédio, se não for reparada rapidamente, acaba incentivando que outras pessoas passem pelo local e quebrem as demais janelas.

A ação contou com apoio de diversas unidades da Polícia Civil de Palmas e do interior, além de equipes da Polícia Militar e da Guarda Metropolitana.