Mulher é agredida por esposa de médico durante consulta ginecológica em PE; Vídeo

Agressora seria médica, mas não trabalhava no local, de acordo com a clínica. Fato aconteceu durante ultrassonografia endovaginal em Jaboatão dos Guararapes, na região metropolitana do Recife.

Compartilhe:

Uma jovem de 20 anos utilizou as redes sociais para relatar um caso no qual alega ter sido agredida pela esposa de um médico durante um exame ginecológico em uma clínica no Bairro de Prazeres, em Jaboatão dos Guararapes, na região metropolitana do Recife. O fato, segundo o relato da vítima, ocorreu na manhã de segunda-feira (30) e foi gravado em vídeo pela própria paciente. As autoridades policiais estão investigando o caso.

>> Siga o canal do "Sou Mais Notícias" no WhatsApp e receba as notícias no celular.

Assista o vídeo:

A paciente, identificada como Amanda Oliveira, visitou a clínica LP Saúde, onde a agressão aconteceu. No vídeo compartilhado por Amanda, uma mulher entra no consultório médico e pede que a paciente se vista para sair.

A agressora repete insistentemente: “Saia daqui.” Quando a vítima se recusa a sair da sala, as agressões começam.

Conforme o relato da vítima, ela compareceu à clínica para realizar uma ultrassonografia vaginal, e na sala estavam o médico, uma assistente, e a agressora, que seria esposa do médico, mas que não trabalhava naquele estabelecimento.

“Eu fui pela primeira vez, e teria que repetir o exame após 15 dias. A primeira vez foi muito tranquila. O médico me deixou à vontade, e sua assistente estava presente o tempo todo. Na segunda vez, quando cheguei lá, estavam os três presentes: o médico, sua assistente e a mulher que é esposa dele, alegando ser médica também,” explicou Amanda em entrevista ao G1.

O constrangimento ocorreu quando Amanda teve que tirar a roupa para o procedimento, já que a clínica não oferecia vestimentas apropriadas para o exame. Isso deu origem a agressões verbais e físicas, de acordo com seu relato.

“Ao tirar minhas roupas, ela já estava me constrangendo. Ela disse que eu deveria ter vindo de saia, que eu não tinha modos. Ela me deu um jaleco, pois a clínica não fornecia batas, [alegando ser] ‘para me preservar’,” relatou.

A paciente disse que se sentiu constrangida a ponto de pedir que a mulher deixasse a sala, mas a agressora teria se recusado.

“Quando o médico estava introduzindo o transdutor, ela puxou com muita força, sem meu consentimento. Foi nesse momento que comecei a filmar, devido ao fato de ela ter tocado em mim,” disse Amanda.

“Me senti muito mal, extremamente constrangida. Fiquei muito nervosa, pois fui até lá e fiz o que era necessário. Não tive qualquer atitude inadequada, nem me dirigi a ele. Apenas disse ‘boa tarde’, mostrei o comprovante de pagamento e nada mais. Até então, para mim, ela era apenas uma médica comum,” acrescentou.

Médico foi afastado

A LP Saúde informou que a mulher que aparece agredindo a paciente não era funcionária da clínica e estava visitando o local pela primeira vez. A instituição também informou que o médico foi suspenso e que medidas adicionais de segurança foram implementadas na clínica.

No entanto, Amanda Oliveira contesta a versão da empresa. “Eles na clínica afirmaram que ela já tinha estado lá antes e disseram que já tinham conhecimento de que ela causaria problemas, embora não soubessem que isso aconteceria comigo. Eles supunham que o conflito seria com a assistente dele, uma vez que a outra assistente dele foi demitida precisamente por causa dela. Todos na clínica já sabiam que ela era problemática”, relatou.

A Polícia Civil informou que iniciou uma investigação para apurar o caso de lesão corporal por meio da Delegacia de Prazeres.

>> Participe da comunidade do #SouMaisNoticias no WhatsApp.

*Com informações do G1