Menina de 12 anos é estuprada durante festa agropecuária em Araguaína

Segundo a PM, o suspeito teria se apresentado como segurança e oferecido bebida alcoólica para a vítima e a levado para um lugar afastado na festa. Polícia Civil investiga o caso.

Compartilhe:

Uma menina de 12 anos teria sido estuprada na Expoara – Exposição Agropecuária de Araguaína, no norte do Tocantins. O crime aconteceu entre sexta-feira (9) e sábado (10). De acordo com a Polícia Militar, o suspeito teria se apresentado como segurança da festa e embebedado a vítima.

O suspeito ainda não foi identificado e Polícia Civil instaurou um inquérito para apurar o caso.

De acordo com a PM, a menina teria saído de casa, em Piraquê, cidade a 65 km de Araguaína, escondida da família. O pai achou que ela tinha desaparecido e acionou a polícia. Conforme a PM, a adolescente teria entrado em um carro em direção a Araguaína na noite de sexta-feira (9).

No sábado (10), o pai soube que a filha estava desacordada em uma rede no parque de exposição de Araguaína, onde era a festa, com um homem. A tia da menina foi ao local buscá-la e ligou para o Samu, já que ela parecia estar sob efeito de bebida alcoólica.

A adolescente teria informado que pegou carona com um homem que a deixou perto da feirinha e deu R$ 20 para que ela entrasse no parque de exposição. No evento, o homem se apresentou como segurança do local e ofereceu um refrigerante e uma bebida alcoólica. Foi depois disso que ele teria estuprado a adolescente.

Foto: Divulgação

A menina e o pai foram levados à Delegacia de Polícia Civil. A adolescente passou por exames e recebeu apoio psicológico e de assistência social. A PM realizou buscas no local do crime, mas não encontrou o suspeito. De acordo com a Polícia, a organização do evento está colaborando com as investigações.

Por meio de nota, o Sindicato Rural de Araguaína disse que repudia qualquer ato de agressão ou violência dentro ou fora das suas dependências. Informou, ainda, que tem contribuído com a Polícia Civil oferecendo as imagens de segurança interna do evento deste final de semana. De acordo com o Sindicato responsável pela festa, os dados dos mais de 12500 colaboradores foram repassados para a Polícia, que segue com as investigações.

A Polícia Civil disse que o caso está sendo investigado pela Delegacia de Atendimento a Vulneráveis (DAV), sendo que um inquérito já foi instaurado para apurar todas as circunstâncias desse caso.

“Os agentes estão nas ruas da cidade, buscando elementos para subsidiar as investigações. Mais detalhes serão divulgados em tempo oportuno”, informou.