Marido e sobrinho são suspeitos de matar mulher e jogar corpo em poça de lama

Crime de feminicídio aconteceu em Taguatinga, no sudeste do Tocantins e corpo foi encontrado submerso na lama. Homens de 55 e 22 anos foram presos e indiciados.

Compartilhe:

Após o corpo de uma mulher ser encontrado em uma poça de lama na zona rural de Taguatinga, no sudeste do estados, o marido e sobrinho da vítima foram identificados pela Polícia Civil como os supostos autores do crime. Eles foram presos e indiciados feminicídio nesta segunda-feira (18).

>> Siga o canal do "Sou Mais Notícias" no WhatsApp e receba as notícias no celular.

Segundo a polícia, a vítima, de 54 anos, foi localizada no dia 4 de dezembro deste ano. Ela estava quase submersa em uma água barrenta acumulada em uma barragem, revelando apenas o nariz, boca, tórax e mãos da vítima.

A identificação da mulher, que não teve o nome divulgado, foi possível pela polícia por que próximo ao cadáver foram encontrados uma xícara azul, um par de chinelos femininos de cor bege, um relógio de pulso com pulseira danificada e outros objetos que auxiliaram na investigação, conforme afirmou o delegado Lucas de Oliveira Rodrigues, responsável pelo caso.

A polícia apurou que a mulher teria sido morta após ser atingida por um pedaço de madeira na região do pescoço, além de ter sido enforcada com um ‘mata-leão’, um golpe em que o pescoço da vítima é apertado.

As investigações revelaram que o jovem de 22 anos, considerado pela mulher como sobrinho, estava morando com ela há cerca de um mês. Contudo, desentendimentos surgiram devido ao furto de um celular, que a mulher acreditava ter sido cometido pelo sobrinho.

Os dois homens foram detidos em cumprimento a mandados de prisão e indiciados pelo crime de feminicídio. Após os procedimentos do caso, foram encaminhados à Cadeia Pública de Taguatinga, onde permanecem à disposição do Poder Judiciário.

O delegado destacou que o evento investigado é mais um exemplo do ciclo de agressões presente na violência baseada no gênero. O descarte do cadáver em uma barragem, construída para conter as águas da chuva, sinaliza o desprezo atribuído à vítima pelos suspeitos.

>> Participe da comunidade do #SouMaisNoticias no WhatsApp