Mãe é suspeita de matar filha de 2 anos a facadas no Distrito Federal

Laryssa Yasmim Pires de Moraes foi presa em flagrante. A criança chegou a ser socorrida, mas não resistiu os ferimentos e morreu no local.
Compartilhe

 

Uma mãe de 21 anos é suspeita de ter matado a filha de 2 anos e 2 meses de idade, a facadas. O caso aconteceu na madrugada desta quinta-feira (13), Vicente Pires, na região rural do Distrito Federal. A criança chegou a ser socorrida pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), mas não resistiu os ferimentos e morreu no local.

Laryssa Yasmim Pires de Moraes foi presa em flagrante. O crime aconteceu no apartamento onde ela morava com a filha, Júlia Félix de Moraes, e o pai da menina.

em Vicente Pires, na região rural do Distrito Federal (DF), , no apartamento onde moravam a mãe, a vítima e o pai da criança. O casal foi levado à 12° Delegacia de Taguatinga, onde prestaram depoimento. A suspeita é de que que a motivação do crime teria sido uma crise de ciúmes da mãe.

“Não sei, não sei, não sei. Matei minha filha! Tenho certeza que está num lugar melhor”, declarou a mãe aos policiais, quando foi encontrada ao lado do corpo da menina. Segundo vizinhos, por volta da 5 h da manhã, o pai da criança gritava e pedia socorro, pois a filha estava morrendo.

O pai, Giuvan Félix, de 26 anos, também prestou depoimento à Polícia Civil. Ele disse que teria acordado com Laryssa apontado uma faca o rosto dele. Quando ele se virou, percebeu que a filha tinha sido golpeada com duas facadas: uma no rosto e outra no pescoço. O homem relatou que o casal morava junto há pouco tempo.

Conforme o delegado que conduz as investigações, Josué Ribeiro da Silva, o rapaz ainda disse que Laryssa tinha uma personalidade difícil e era muito ‘festeira’. Ele disse ainda que a mulher usava drogas e que pretendia sair da casa onde viviam porque estaria reatando um relacionamento homoafetivo com uma ex-namorada.

“Laryssa era festeira, não tinha emprego e usava drogas. Por conta desse comportamento, a mãe a expulsou de casa. Ela foi para a residência do pai da criança. Lá, informou que estava reatando com sua ex-namorada. Giuvan não aceitava que sua filha convivesse com essa situação e avisou que tomaria a guarda da criança, fato que Laryssa não aceitou”, afirma o delegado.

No entanto, Josué observou que o pai estava muito calmo e apresentava certa frieza durante o depoimento. Ele destacou que o rapaz foi encontrado de cueca e sujo de sangue, e com o rosto machucado. Além disso, o homem teria dado informações contraditórias, o que levanta suspeitas de ele tenha participado do crime.

A proprietária do apartamento onde o casal mora, Maria Gilmaria Sousa Espíndola, de 44 anos, disse que alugava o imóvel para o rapaz há mais de um ano. “Ele é muito jovem. Gente boa e nunca tivemos reclamações. Ela morava com ele há pouco tempo. Nunca houve reclamações sobre o casal. Era um apartamento muito organizado. Ela vivia com a menina para cima e para baixo. Para a gente do prédio, é assustador. Os vizinhos nunca ouviram barulho e nem presenciaram brigas”, declara.

*Com informações do Metrópole

 

| Recomendado