Justiça determina inspeções após fumaça de ar-condicionado causar evacuação de ala pediátrica do HGP

Dezoito crianças precisaram ser transferidas às pressas da ala pediátrica. Decisão atende pedido do Ministério Público que cobrou providências após o problema.

Compartilhe:

Depois de em meio a um ‘corre corre’, 18 crianças precisarem ser transferidas às pressas da ala pediátrica do Hospital Geral de Palmas (HGP) após um ar-condicionado apresentar fumaça, a Justiça determinou providências para garantir a segurança dos pacientes e avaliar danos. A decisão atende pedido do Ministério Público do Tocantins, que cobrou providências após o incidente.

>> Siga o canal do "Sou Mais Notícias" no WhatsApp e receba as notícias no celular.

O equipamento apresentou problema na tarde de quarta-feira (15). A situação assustou quem estava no local e os bombeiros foram chamados para evitar que começasse um incêndio. Em vídeos divulgados em redes sociais, foi possível ver muita correria e a movimentação de servidores para retirar camas hospitalares de uma das salas da unidade.

Os bombeiros disseram que a fumaça saía da casa de máquina do ar, mas não chegou a produzir chamas. A central do ar foi desligada pela equipe.

Corre corre na ala pediatra do HGP
Foto: Reprodução

De acordo com o Ministério Público, o pedido foi protocolado logo após o problema no HGP. Na decisão, a Justiça ordenou a intimação do Conselho Regional de Enfermagem (Coren) e da Vigilância Sanitária Municipal para que façam inspeções e verifiquem as condições na ala pediátrica.

Já o Corpo de Bombeiros deverá, em um prazo de dez dias, emitir um relatório sobre as causas e os responsáveis pelo ocorrido. A decisão é do juiz Adriano Gomes de Melo Oliveira, do Juizado Especial da Infância e Juventude de Palmas.

Pasta diz que tomou medidas após o problema técnico

A Secretaria de Estado da Saúde (SES) informou nesta quinta-feira (15) que os 18 pacientes já retornaram para a ala pediátrica. Para evitar mais problemas, os leitos passaram por higienização e foram instalados outros equipamentos de ar-condicionado novos nos leitos. Questionada sobre a decisão da Justiça, a pasta não emitiu posicionamento.