Homem condenado por estupro em Goiás é preso pela PF dentro de escola no Tocantins

Crime aconteceu em Aparecida de Goiânia (GO). O homem tem 52 anos e trabalhava numa escola estadual da cidade de Novo Jardim, no sudeste do estado.

Compartilhe:

O servidor de uma escola estadual de Novo Jardim, na região sudeste do Tocantins, foi preso pela Polícia Federal em cumprimento a um mandado da Justiça de Goiás. Ele é condenado pelo crime de estupro de vulnerável e foi encontrado quando estava dentro da unidade escolar.

>> Siga o canal do "Sou Mais Notícias" no WhatsApp e receba as notícias no celular.

A Prisão foi registrada nesta quarta-feira (24). A Secretaria de Estado da Educação (Seduc) informou que rescindiu o contrato com o servidor e que repudia qualquer forma de abuso.

O crime aconteceu em Aparecida de Goiânia (GO), em 2012. Desde 2019 o homem, de 52 anos, era considerado foragido.

De acordo com uma decisão do Tribunal de Justiça de Goiás ele foi condenado 9 anos de prisão, em regime fechado estava sendo procurado. A vítima era um menino que tinha 12 anos na época.

O mandado de prisão foi expedido pela 2ª Vara Criminal de Aparecida de Goiânia no dia 23 de agosto de 2019. Durante o cumprimento da prisão, ele teria confirmado aos policiais que era a pessoa procurada e reconhecia os crimes.

A Secretaria da Segurança Pública do Tocantins informou que o homem foi levado pela PF até a 14ª Central de Atendimento da Polícia Civil em Dianópolis. Ele foi registrado, passou por exames cautelares e seguiu para a unidade prisional local, onde está à disposição do Poder Judiciário.

Segundo a PF, a prisão ação aconteceu no mês da campanha “Maio Laranja”, que visa o enfrentamento da exploração e abuso sexual infantil no Brasil. Em caso de suspeita de abusos, qualquer cidadão pode fazer denúncia anônima pelo Disque 100 ou no aplicativo SABE – Conhecer, Aprender e Proteger.

O que diz a Seduc

Em nota, a Secretaria Estadual de Educação (Seduc) informou que o servidor teve o contrato de trabalho rescindido assim que a pasta foi informada sobre a ação da Polícia Federal. Também reforçou que presta “apoio irrestrito às autoridades competentes na apuração dos fatos e na aplicação da justiça”.

A Seduc manifestou repúdio a qualquer forma de abuso ou violência sexual e reafirmou seu compromisso em garantir um ambiente seguro e saudável aos estudantes.