Gerente de banco é suspeita furtar quase R$ 250 mil ao desviar dinheiro de caixas eletrônicos

Crime aconteceu em agência de Augustinópolis, no norte do Tocantins. Desvios aconteciam por mais de dois anos emulher foi indiciada por furto qualificado e fraude.

Compartilhe:

Diversos desvios de dinheiro identificados em uma agência bancária de Augustinópolis, na região do Bico do Papagaio, no norte do estado, levaram a Polícia Civil a investigar a gerente local. Ela teria furtado quase R$ 250 mil em um período de mais de dois anos e, por isso, foi indiciada nesta quarta-feira (22).

>> Siga o canal do "Sou Mais Notícias" no WhatsApp e receba as notícias no celular.

Segundo a investigação, a mulher de 34 anos começou a fazer pequenos desvios do dinheiro que abastecia os terminais de autoatendimento da agência em 2019. Como gerenciava a tesouraria e fazia a conferência de numerário da agência, ela lançava no sistema um valor que seria destinado a determinado caixa eletrônico. Na realidade, inseria um valor menor na máquina e ficava com a diferença. Após o esquema, ela ainda registrava que a contagem do dinheiro era a mesma que constava no sistema, mascarando assim a fraude.

Descoberta das Irregularidades
As irregularidades foram descobertas quando a suspeita saiu de férias. A pessoa que a substituiu fez uma conferência na agência e percebeu que faltava muito dinheiro na tesouraria. Uma auditoria interna revelou um desfalque de R$ 245.990,00. A Polícia Civil foi acionada para investigar o caso, e a gerente foi afastada das funções e posteriormente demitida do banco.

Detalhes da Investigação
De acordo com o delegado Jacson Wutke, responsável pelo caso, os desvios de dinheiro aconteceram até o dia 6 de dezembro de 2021. A 13ª Delegacia de Polícia instaurou inquérito policial para apurar a fraude. Durante os trabalhos dos agentes, foi pedido o afastamento do sigilo bancário e fiscal, autorizado pela Vara Criminal da Comarca de Augustinópolis.

Movimentações Atípicas
Ao analisar as contas da mulher, a polícia identificou várias movimentações atípicas em instituições bancárias. Os valores não eram compatíveis com a remuneração mensal da gerente. “Por exemplo, em todos os meses eram realizados depósitos em espécie em outros bancos que chegavam a superar o triplo da sua remuneração comprovada, com a posterior pulverização do valor com transações menores para outras contas que chegaram a três mil operações por mês”, disse Jacson Wutke.

Indiciamento
Com a conclusão do inquérito, a mulher foi indiciada pelos crimes de furto qualificado pelo abuso de confiança e emprego de fraude em pelo menos 27 ocasiões. O documento foi enviado ao Poder Judiciário e ao Ministério Público Estadual (MPTO), que decidirão se ela será denunciada.