Falta oxímetro e material de higienização no setor de UTI do HGP

Compartilhe:

A vistoria feita pela Defensoria Pública do Estado do Tocantins (DPE-TO) detectou problemas mais graves  no setor de Unidade de Terapia Intensiva (UTI)  do Hospital Geral de Palmas (HGP). A ação aconteceu manhã desta quinta-feira (3) e uma das irregularidades observadas foi  os 14 monitores de oxímetros que estão com defeitos no setor. O aparelho serve para monitorar os níveis de saturação de oxigênio no sangue e a frequência cardíaca.

>> Siga o canal do "Sou Mais Notícias" no WhatsApp e receba as notícias no celular.

A iniciativa faz parte de uma ação conjunta da Comissão Temática de Saúde da Anadep – Associação Nacional dos Defensores Públicos realizada em outros nove Estados (AM, MG, RJ, PA, PE, RN, BA, MT e PB) em razão do Dia Nacional da Saúde, celebrado no próximo sábado (5).

No Tocantins, a vistoria no  HGP foi realizada pelos defensores públicos Arthur Luiz Pádua Marques e Fabrício Dias. No setor de UTI também foi detectado problemas de higienização, com a falta de material básico como sabão e álcool para o uso da equipe médica, de enfermagem e de pacientes ou familiares que frequentam o setor. No local também há latas de lixeiras inadequadas, com lixeiras de plástico e sem tampa, onde são descartadas materiais como fezes e urinas.

O material de limpeza também é único para toda UTI e banheiros. “Este é um setor com muito risco de infecção, com muitas bactérias. Uma vassoura que é utilizada nessa sala não pode ser repassada diretamente com a mesma água e detergente para outra, assim só estão transferindo as bactérias de um setor para o outro”, explicou representante de equipe médica no setor.

Vistoria

Além desses, foram detectados na vistoria problemas antigos como falta de leitos de UTI, pacientes com escaras graves no corpo sem cama hiperbárica, a falta de insumos, materiais básicos e roupas adequadas para equipe médica, falta de cobertor, lençóis, farmácia hospitalar do 2º andar que não funciona no período noturno por falta de profissionais, sala de repouso e banheiros inadequados para funcionários na UCI, escala de profissionais não fecha. Conforme os defensores públicos que atuaram na vistoria, os problemas mais graves de falta de materiais não estão em equipamentos caros, mas em materiais baratos como lâminas que custam apenas 0,90 para realização de procedimentos. Apesar da inauguração das novas instalações anunciadas pelo Estado, ainda há cerca de 40 pacientes nos corredores do hospital.

A equipe do Núcleo de Defesa da Saúde e da 30ª Defensoria Pública de Saúde da Capital (NUSA)  conversou com os profissionais e recolheu expedientes administrativos sobre as irregularidades, e será elaborado um relatório detalhado da vistoria. Todas as irregularidades apuradas já são objetos de ações propostas pela Defensoria Pública e demais órgãos de controle.

Foto: Niceia Menegon

Compartilhe essa Notícia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *