Estudante é preso por engano por ter nome parecido com o de assaltante e outras séries de coincidências

Além do nome parecido com o do suspeito, Luiz Brendo Mac Dovel tem mesma naturalidade, nasceu no mesmo ano, tem o nome da mãe igual e esteve no estado onde ocorreu o crime.

Compartilhe:

O estudante de direito Luiz Brendo Mac Dovel do Nascimento foi libertado após quase dois meses de prisão equivocada em Aparecida de Goiânia, na Região Metropolitana de Goiânia. Segundo sua mãe, Lidiane Mac Dovel, o filho foi detido devido à semelhança de nome com o suspeito do crime, compartilhando a mesma naturalidade, ano de nascimento e nome da mãe, além de estar no estado onde ocorreu o crime na mesma data.

>> Siga o canal do "Sou Mais Notícias" no WhatsApp e receba as notícias no celular.

Ao sair do presídio, o jovem de 23 anos desabafou: “Eu quero ir para casa, ficar com a minha família, comer um bolo.”

Ele foi preso em 12 de dezembro, e o alvará de soltura foi emitido em 1º de fevereiro. A Diretoria-Geral de Administração Penitenciária relatou que um policial se sensibilizou com o relato da mãe durante uma visita, levando à descoberta de que um homem com ficha criminal apresentava dados semelhantes ao do jovem.

Estudante é preso por engano por ter nome parecido com o de assaltante e outras séries de coincidências
Foto: TV Anhanguera

Luiz explicou que, ao receber uma intimação, foi até uma delegacia para entender o que estava acontecendo, quando descobriu que havia um mandado de prisão contra ele por uma tentativa de latrocínio em Santa Catarina. Na data do crime, o estudante tinha viajado para o estado para fazer uma prova do Exército.

Durante seu período na prisão, Luiz soube que passou em um concurso em Goiás, mas não pôde se apresentar. “Só de ele estar aqui é maravilhoso. Meu filho é inocente, fez direito por três anos, passou em concurso”, afirmou a mãe dele.

Em nota, a Polícia Civil de Goiás afirmou que toma as devidas precauções no cumprimento dos mandados de prisão e que o cumprimento é informado ao Poder Judiciário em até 24 horas. O Tribunal de Justiça de Goiás optou por não comentar o caso.

*Com informações do G1