Em Goiás: Idosa só recebe vacina contra Covid-19 após filha denunciar que líquido não foi aplicado na 1ª tentativa; vídeo

Gravação mostra momento em que profissional enfia agulha no braço da idosa, de 88 anos, mas parece não injetar a dose.

Compartilhe

A filha de Floramy de Oliveira Jordão, de 88 anos, denuncia que a mãe não recebeu a vacina contra a Covid-19 na primeira aplicação, na manhã desta quarta-feira (10), em Goiânia. Segundo ela, a profissional enfiou a agulha no braço da idosa, mas não injetou a dose do imunizante. O momento foi filmado pela aposentada Luciana Jordão, de 57 anos, filha da idosa. A Secretaria Municipal de Saúde investiga o caso.

De acordo com a família, Floramy só foi devidamente imunizada, por volta das 10h30, após Luciana perceber que o líquido na seringa não havia sido aplicado e questionar a profissional, durante a vacinação no Setor Universitário.

Assista o vídeo:

“Ela simplesmente enfiou a agulha na minha mãe, tirou e ficou com a seringa para cima. Aí eu falei: ‘Foi muito rápido’. Quando eu olhei para cima, o líquido estava todinho na seringa. Ela não injetou a vacina na minha mãe. Aí eu falei para ela: ‘O líquido está todinho aí, você não vacinou a minha mãe’”, conta.

Luciana relata que a agente de saúde respondeu que havia vacinado, mas, ao ser confrontada sobre o líquido estar na seringa, pediu desculpas e disse que não tinha percebido.

“Ela olhou, pediu desculpa, disse que ela tinha se esquecido de injetar, foi e picou minha mãe, vacinou minha mãe novamente. Eu fiquei prestando atenção, e aí ela realmente vacinou”, afirma a filha da idosa.

Em nota, a Secretaria de Saúde de Goiânia informou, às 12h53, que “vai averiguar imediatamente o ocorrido e esclarece que há vacinas garantidas para todas as pessoas acima de 85 anos e que abomina todo e qualquer tipo de irregularidade”. Disse ainda que, se for comprovado “o descumprimento dos protocolos de vacinação, serão tomadas todas as medidas cabíveis em casos dessa natureza”.

Diante da suspeita de que a profissional que aplicou a agulha seja uma enfermeira, como citado por Luciana, o Conselho Regional de Enfermagem de Goiás (Coren-GO) informou que vai “averiguar se a profissional é de fato da enfermagem”. Em caso positivo, “inicia-se os trâmites de conduta da profissional, conforme estabelecido no Regimento do Conselho”.

Vídeo

O neto da idosa, Bruno Jordão, de 32 anos, conta que sugeriu que a mãe gravasse o momento da vacinação justamente para garantir que a dose fosse aplicada. Ainda segundo ele, a enfermeira chegou a questionar a filha da idosa se ela iria filmar ou apenas tirar uma foto. “Aí minha mãe disse que ia apenas fotografar, mas, na verdade, ela filmou”, conta.

O servidor público acredita que esse tipo de situação pode estar acontecendo com várias pessoas.

“Com certeza está acontecendo isso. Imagina quantas pessoas não estão sendo vacinadas. A gente estava receoso disso acontecer. Por isso, minha mãe filmou. Resolvemos divulgar para a imprensa. As pessoas precisam ser alertadas sobre isso”, afirma Bruno.

*Por G1