Dois PMs são presos suspeitos de sequestrar jovem que está desaparecido há 4 meses

Filipe Siqueira, de 21 anos, sumiu no dia 1º de agosto e nunca mais foi visto. Policiais seriam homens que aparecem em vídeo colocando jovem dentro de um carro no dia do desaparecimento.

Compartilhe:

Dois policiais militares, lotados no Batalhão da PM de Paraíso do Tocantins, foram presos nesta manhã de quinta-feira (16). Eles são suspeito de participação no desaparecimento do jovem Filipe Coelho Siqueira, de 21 anos, que desapareceu no início de agosto. A última vez que foi visto, entrou em um carro preto supostamente pertencente a um dos PMs.

>> Siga o canal do "Sou Mais Notícias" no WhatsApp e receba as notícias no celular.

A prisão dos policiais aconteceu durante a operação, denominada Missing, foi conduzida por unidades especializadas da Polícia Civil e resultou nas prisões de Felipe Augusto Lovato da Rocha e Ismael Nascimento da Conceição, ambos militares. A defesa dos acusados alega não ter tido acesso ao processo até o momento.

A Corregedoria da Polícia Militar disse que acompanhou a execução dos mandados, destacando a abertura de um inquérito para investigar o caso. A instituição reiterou seu compromisso com a legalidade e imparcialidade em sua nobre função pública.

As prisões preventivas foram emitidas pela Justiça, e os policiais foram encontrados em suas residências em Palmas e Paraíso do Tocantins, com mandados de busca e apreensão sendo executados. A operação envolveu a Diretoria de Repressão à Corrupção e ao Crime Organizado (DRACCO), 6ª Divisão Especializada de Repressão ao Crime Organizado (DEIC – Paraíso), Grupo de Operações Táticas Especiais (GOTE) e a 5ª Delegacia Regional.

Os policiais investigados, lotados no 8º Batalhão da Polícia Militar de Paraíso, serão recolhidos para uma unidade da Polícia Militar em Palmas após os procedimentos judiciários, ficando à disposição da Justiça. O jovem desaparecido, Filipe Coelho Siqueira, ainda não foi encontrado.

PMs também são investigados por forjar flagrantes de tráfico e tortura.

Além do desaparecimento, os soldados, que não tiveram os nomes divulgados, são suspeitos de forjar flagrantes de tráfico e tortura. Segundo a Secretaria de Segurança Pública (SSP), investigações apontam que, além do caso em questão, os PMs estariam envolvidos em práticas criminosas incompatíveis com os princípios da Polícia Militar.

Eles são acusados de oferecer dinheiro a usuários de drogas para adquirir substâncias em “bocas-de-fumo”, realizando buscas clandestinas sem apresentar o material apreendido na delegacia, às vezes sem efetuar a prisão do traficante. Evidências de envolvimento em casos de tortura também foram constatadas.

A SSP enfatizou que tais condutas são contrárias ao Estado Democrático de Direito e serão devidamente investigadas no processo penal em curso. Em relação às prisões, a Justiça emitiu as ordens por homicídio qualificado, sequestro e ocultação de cadáver, e os militares permanecerão detidos na unidade da Polícia Militar em Palmas.

Entenda

Filipe Coelho Siqueira, de 21 anos, desapareceu em 1º de agosto de 2023, conforme registrado por uma câmera de segurança que registrou o momento em que ele foi abordado, levado para o muro de uma casa e colocado dentro de um carro.

Filipe é trabalhador diurno e estudante noturno e estaria voltando do serviço para almoçar quando foi abordado.. A Polícia Civil, utilizando drones com câmeras térmicas em locais prováveis de descarte, não conseguiu localizá-lo até o momento.

Foto: Reprodução

Investigações revelaram que o crime ocorreu por volta das 11h na avenida Campinas, setor Jardim Paulista, em Paraíso do Tocantins. Imagens de câmeras de segurança identificaram uma revista pessoal em Filipe antes de ser colocado no carro, cujos ocupantes eram posteriormente identificados como dois policiais militares.

Um dos PMs residia nas proximidades, e o veículo utilizado pertencia ao outro policial envolvido. Após levar Filipe para a zona rural de Paraíso e retornar, os policiais voltaram ao ponto de origem por volta das 14h36, sem o jovem.

>> Participe da comunidade do #SouMaisNoticias no WhatsApp.